Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O Egito e os Faraós

O Egito e os Faraós

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 2
O Egito e os Faraós

A história do Egito inevitavelmente gira em torno do Rio Nilo, que é rodeado por um vale extremamente fértil e possibilitou a estabilidade do povo daquela região.
Sendo nada menos que um oásis situado à nordeste da África do Sul, o Egito fica entre o Saara e a Arábia. No verão o Rio Nilo transborda, e no inverno ele volta para seu estado normal, deixando um enorme espaço úmido e fértil, possibilitando os agricultores colherem duas vezes que o normal.

Os primeiros homens a habitarem o Egito chegaram àquela terra cerca de 6000 anos antes de cristo. Eram descendentes de Cam, de pele geralmente morena e negra. Se organizaram em clãs de família, que acabaram por se tornar nomarcas. Isso por que as pessoas tiveram uma necessidade de se juntarem para trabalhar em equipe, modificando e criando barragens, para aproveitar melhor o Nilo.

Os nomos foram mesclado-se, até que o Egito passou a ser governado por apenas um rei, o faraó. A este próximo período é dado o nome de Antigo Egito.

O Antigo Egito teve o faraó Menes como primeiro governante, em 3500 antes de cristo. Em sua dinastia o país cresceu, sendo construídas as primeiras pirâmides, usadas como túmulos dos faraós. Aproximadamente 2200 antes de cristo, o Egito foi invadido por líbios, e este período da história é chamado de Primeira Era Intermediária.

Houve muitas lutas internas, e o Egito não era mais homogêneo. Em 2100 antes de Cristo o Egito foi invadido pelos Hicsos, um povo árabe. Só em 1500 antes de cristo que o povo de Tebas conseguiu expulsá-los, conseguindo assim mais um momento de paz e prosperidade.
O último período da história marcou a queda do Egito e é chamado de Baixo Egito. Em 525 antes de cristo o império foi invadido pelos persas e mais pra frente pelos romanos. O Egito foi a província mais rica dos Romanos, e a história deles está fortemente vinculada a este país.

Para conhecer mais sobre a história do Egito é aconselhável procurar em livros ou sites específicos, uma vez que a história desta região é rica em inúmeros aspectos.


Wallace Randal

Título: O Egito e os Faraós

Autor: Wallace Randal (todos os textos)

Visitas: 0

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    27-08-2014 às 12:10:32

    O Egito é riquíssimo de grandes histórias para nosso estudo e civilização deste povo. Um lugar que encanta as pessoas, que sempre lutou e que ficamos muito admirados. Os faraós são grandes pessoas que nos causam tremenda curiosidade.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    17-09-2012 às 12:53:34

    O Egito sempre exerceu sobre mim um fascínio especial, ocupando um lugar bem no topo da minha lista de países a visitar quando a minha condição económica me permitir esse que é o maior dos prazeres: viajar. E receio gostar do Egito não por qualquer razão extraordinária, mas sim pelas razões que movem tanta gente a adorar esse país: o mistério das pirâmides, os segredos dos faraós e, não menos crucial, a sua importância bíblica.

    ¬ Responder

Comentários - O Egito e os Faraós

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios