Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Não temo pela humanidade

Não temo pela humanidade

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Não temo pela humanidade

Olhei recentemente uma frase de Thomas Jefferson em que este diz “Eu temo pela humanidade quando penso que Deus é justo.". Parei para pensar nesta frase porque concordo plenamente com ela, e se pensarmos friamente todos nós poderemos ser enrolados na cilada do nosso próprio parecer esquecendo-nos que esta é uma verdade plena.

Deus é justo, e a humanidade é o cúmulo da injustiça. Quando falamos de injustiça, os nossos sentidos afastam-se quase sempre de nós próprios e fixam-se nos políticos por exemplo, porque legislações atuais e tomadas de posição políticas recentes arrastam o nosso povo para aquilo que chamamos de injustiça social. No entanto existem outras injustiças. Quando olhamos as situações de vida à nossa volta, quer elas ocorram nos nossos postos de trabalho, quer ocorram no seio da família ou noutra parte qualquer, sempre conseguimos encontrar pequenos atos de injustiça, os nossos próprios atos, são muito mais indecifráveis por nós mesmos, mas devemos saber outros haverão de os dissecar e julgar segundo os seus próprios conceitos de justiça, tal como nós o fazemos relativamente aos seus atos.

Com Deus ocorre de forma diferente. Ele é justo, Ele é a pessoa que criou a justiça, e por isso, Ele, o justo juiz julgará com equidade as atitudes dos homens, segundo a lei que Ele mesmo criou, e que deixou como legado para cada um de nós. A sua lei, a Bíblia Sagrada, é o livro mais lido no mundo em todos os tempos, porém, não me parece o mais atendido, porque todos nós, por muito que tentemos acertar, falharemos sempre numa ou noutra situação… e segundo esta própria lei, estaríamos perdidos, segundo encontramos em Romanos 3:23 “Porque todos pecaram, e destituídos estão da glória de Deus”.

Todos sem exceção temos falhado, temos pecado, temos aborrecido a Deus, e este Deus de quem tão insistentemente apregoamos o amor é também um Deus justo, segundo a sua própria medida de justiça, que é a medida perfeita, uma vez que Ele é Deus…

Então, um dia o amor deste Deus perfeito, resolveu solucionar o nosso problema enviando o seu único filho para nos salvar dos nossos pecados, para nos aliviar o fardo e para nos posicionar relativamente a Ele de uma forma capaz de recebermos o seu benefício. Segundo João 3:16 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o seu filho unigénito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”.

Não temo pela humanidade, porque Deus deu o escape para quem quiser apossar-se dele. Estende a tua mão para os céus e clama. Ainda é tempo de retornar para este Deus amante e salvador que espera por quem quiser recebê-lo. O dia é hoje. Amanhã poderá ser tarde demais!


Ana Sebastião

Título: Não temo pela humanidade

Autor: Ana Sebastião (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Comentários - Não temo pela humanidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios