Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Inteligência Emocional

Inteligência Emocional

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Inteligência Emocional

Desde meados da década de 70, o Q.I., ou Quociente de Inteligência vem tomando lugar como o melhor método de medir a capacidade intelectual de alguém. Mas desde meados da década de 80, essa tese começou a ser duvidada com a teoria das inteligências múltiplas, de Howard Gardner. Nessa teoria, é proposta que além do Q.I., que mede a capacidade lógico-matemática do indivíduo, existem mais oito tipos de inteligência. Desde então, o termo inteligência emocional tomou fama e reputação entre os psicólogos cognitivos e a sociedade em geral.

Inteligência emocional é o termo que designa alguém que consegue perceber, entender, controlar e usar as emoções conforme sua vontade. No livro Inteligência Emocional, de Daniel Goleman, que se tornou um best-seller internacional, ele nos explica através de vários exemplos como desenvolver e lidar com as emoções.

Um dos assuntos mais tocados referente a esse tema são os gênios com um Q.I. altíssimo, muitas vezes ultrapassando 160 ou 180, que simplesmente não conseguem se socializar, e consequentemente, seu alto poder intelectual nunca foi valorizado. Isso acontece com mais frequência do que imaginamos. O que essa teoria quer transmitir, é que não basta você saber resolver problemas de lógica e matemática, se você não é capaz de em um evento, por exemplo, apresentá-las, ou mesmo apresentá-las a um colega da universidade.

Também é graças à falta de inteligência emocional que temos tanta violência na nossa civilização. Se um assassino soubesse interpretar e sentir a emoção de sua vítima, não conseguiria terminar seu serviço. Se alunos da escola soubessem interpretar os sentimentos dos outros não haveria bullying.

Passa na Warner Channel uma séria de muito sucesso chamada The Big Bang Theory, onde o personagem principal é Sheldon, um gênio intelectual, mas que é antissocial e não sabe interpretar emoções, daí é que faz da série engraçada.

Para Daniel Goleman, não é Q.I. que faz de alguém um sucesso em seu trabalho, ou na sua comunidade; é sua inteligência emocional. É a sua capacidade de lidar com as pessoas, de pensar e calcular sua fala antes de dizê-la, de sentir empatia pelas pessoas, de não ter medo da multidão, de ter capacidade de automotivação, de ter capacidade de organização e negociação.

Enfim, essa teoria não veio desbancar o Q.I., pois mesmo esses psicólogos cognitivos autores e propagadores dessa teoria ainda acreditam no Q.I., eles estimam que o Q.I. ainda é capaz de medir 20% da inteligência humana. Mas mesmo ainda valorizando o Q.I., eles veem a inteligência como sendo um conjunto de habilidades, e não só uma habilidade, que seria a lógico-matemática. Para quem quer conhecer melhor essa teoria, recomendo o livro Inteligência Emocional, de Daniel Goleman, que tento citei aqui.


Diego César

Título: Inteligência Emocional

Autor: Diego César (todos os textos)

Visitas: 0

633 

Comentários - Inteligência Emocional

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios