Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Igreja do Santissimo Sacramento do Carvalhal

Igreja do Santissimo Sacramento do Carvalhal

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 4
Igreja do Santissimo Sacramento do Carvalhal

A igreja do Santíssimo Sacramento é constituída por três naves, foi mandada edificar segundo a tradição, pela Rainha Dona Leonor, sofreu várias alterações ao longo dos séculos, mas oferece interesse com o seu revestimento de azulejos tipo tapete datados do século XVII, duas esculturas, uma de pedra, do século XVI, representando Santo André e outra de madeira do século XVII representando Nossa Senhora da Piedade, e duas pinturas, uma um painel situado na nave lateral esquerda da igreja e outra, o primitivo retábulo mor constituído por cinco painéis e que se encontra atualmente na sacristia e está atribuído ao pintor maneirista António da Costa, a talha dourada do altar-mor é também de um trabalho extraordinário.
Na sacristia encontram-se ainda duas pinturas sobre madeira, quinhentistas, com a representação de S. Francisco de Assis e S. Bernardo.

A construção desta igreja é atribuída à Rainha Dona Leonor, contudo sofreu várias alterações ao longo dos tempos, e no seu portal é possível ver gravada a data 1700, esta remodelação do século XVIII terá sido a ultima grande remodelação e foi durante a mesma que procederam à construção da torre sineira.

É uma igreja de três naves, coberta por tetos de madeira de três planos e separadas por tramos de arcos sobre colunas de ordem toscana. O altar-mor de talha dourada tem colunas salomónicas de mármore e está ornamentado por várias imagens, das quais se destaca a escultura de pedra do século XVI representando S. Sebastião.

A nível da azulejaria, esta igreja tem as suas paredes revestidas de azulejos azuis e amarelos, do tipo tapete do século XVII. Nas empenas e no vão dos arcos encontram-se alguns embutidos cerâmicos com o símbolo do Santíssimo Sacramento, duas virgens e o menino.
O altar do Evangelho, localizado na nave lateral esquerda da igreja, ostenta um retábulo de pedraria do século XVII, com uma pintura sobre tábua da mesma época, onde é possível observar uma cena do Juízo Final, onde S. Miguel intercede pelas almas.

Na sacristia sobre o arcaz, está o retábulo que se encontrava no altar-mor antes da reforma barroca, datado dos fins do século XVI (segundo o livro Tesouros de Portugal). O Retábulo é constituído por cinco painéis que estão enquadrados por colunas clássicas com capitéis. A pintura é feita sobre madeira, a temática trabalhada pelo autor é claramente cristã, onde se encontra a representação dos passos da vida de Cristo, assim da esquerda para a direita encontramos no primeiro painel O Pentecostes, no segundo O anjo S. Gabriel, no terceiro A Última Ceia, no quarto A Ressureição e no último a Virgem e a Anunciação. Esta pintura foi atribuída ao pintor maneirista António da Costa e tem afinidades com as obras tardias da oficina de Diogo Teixeira.


Sónia Henriques

Título: Igreja do Santissimo Sacramento do Carvalhal

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 4

621 

Comentários - Igreja do Santissimo Sacramento do Carvalhal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios