Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Como se perde a confiança!

Como se perde a confiança!

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 3
Como se perde a confiança!

O ser humano é muito ingénuo. Ilude-se facilmente por palavras bonitas, por uma aparente amabilidade e eloquência por quem tem a arte de falar. Depressa se ilude com promessas,também se ilude com sorrisos, com abraços, com bajulação. Qual é o resultado disso? Mais tarde ou mais cedo o sentimento é de de grande desilusão. É muito fácil acreditar, assim como também é muito fácil perder a confiança. Segundo kant, um filósofo bem conhecido da antiguidade,“A amizade é como um bom café. Depois de frio, já não volta ao sabor inicial”. Quem diz a amizade, diz também a confiança. Para ganhar a confiança de alguém, por vezes são necessários vários anos, mas para perde-la bastam apenas alguns segundos.

É por isso que vivemos numa sociedade revoltada e descrente. Pois, os filhos já não acreditam nos pais. Os pais já não acreditam nos filhos. As mulheres já não acreditam nos homens. Os homens já não acreditam nas mulheres. Os eleitores já não acreditam no governo. O governo já não acredita nos eleitores. Até os amigos, basta uma pequena falha nossa ou deles para deixar de acreditar.Vivemos num clima de desconfiança permanente.

Mas por que motivo é mais fácil acreditar numa pessoa que tem a arte de falar, do que naquelas pessoas frontais que ferem com as palavras, mas cujas mesmas são verdadeiras? Simplesmente porque todos gostamos de palavras bonitas. Palavras belas que nos confortam o coração, elogios, quer sejam eles verdadeiros quer não. Quanto às críticas, continuamos a fugir delas como se fossem doeças contagiosas, mesmo que sejam para o nosso bem.

Está na hora de mudarmos o nosso paradigma e de aprender a escolher bem as pessoas em quem devemos confiar. Está na hora de dar valor a quem nos chama a atenção. Está na hora de acreditar na honra daqueles que nem sabem expressar-se, porém são verdadeiros naquilo que dizem. Quando fizermos isso, quando aprendermos a distinguir quem de facto merece a nossa atenção, seremos mais felizes. Teremos mais motivos para confiar de novo. Pois, a paz e a harmonia dependem da confiança, e a confiança precisa ser aprendida, demonstrada e honrada em todas as situações, todos os dias.

Jovita Capitão

Título: Como se perde a confiança!

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 0

682 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    18-08-2014 às 02:01:42

    Acima de querer a confiança dos outros devemos nos mostrar pessoas confiáveis. É muito fácil exigir dos outros quando nem nós agimos como tal. Claro, deve-se ter o cuidado sempre. A confiança é construída e alicerçada.

    ¬ Responder
  • Eliane S.prEliane Saldanha Pires

    18-09-2012 às 06:04:46

    Me identifiquei muito com o seu texto.Já vivi esse tipo de situação.Veja bem devemos ser sinceros em tudo até pra falar a verdade,por dura que seja.Mas,tarde a pessoa repensará em tudo que você falou e cairá em si.

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    21-09-2012 às 21:40:59

    Obrigada pelo seu comentário Eliane.

    Cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder

Comentários - Como se perde a confiança!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios