Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Como as galinhas põem ovos

Como as galinhas põem ovos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 473
Como as galinhas põem ovos

Desde sempre se ouviu a expressão a "galinha ou o ovo"?.

Acerca disso o que se pode dizer é, contudo, como as galinhas saem dos ovos. As galinhas põem apenas um ovo por dia, pois este é um processo regulado pela presença de luz solar.

Mas, a falta de luz solar no inverno leva a que menos ovos sejam postos durante esta altura do ano. O ser humano pode, porém, enganar as galinhas, bastando para isso colocar luz artificial, uma lâmpada na capoeira.

O processo de pôr ovos começa quando a luz que entra pelos olhos da galinha ativa uma gândula fotossensível, chamada a glândula pineal. Logo que esta glândula pineal seja estimulada, desencadeia um processo que conduz à libertação de um óvulo, ou ócito, do ovário da galinha.

Com efeito, um ovo pode ser posto quer tenha sido fertilizado por um macho ou não. mas apenas os ovos fertilizados podem evoluir para pintos.

Na verdade, o ovo sai para o exterior através do ânus da galinha. Embora também saiam por aí, urina e fezes, há uma válbula chamada cloaca que separa o oviduto do intestino.
Quando os pintos saiem da galinha precisam de repousar vários minutos após saírem do ovo para recuperarem as forças.

Cada galinha continuará a pôr cerca de um ovo por dia até perfazer uma dúzia de ovos., conhecida por uma ninhada. Porém, se os ovos forem recolhidos todos os dias, a galinha continuará a pôr ovos, numa tentativa de produzir uma ninhada de 12.

Depois de põr o ovo, a galinha deixa o ninho, levando o embrião a arrefecer e suspender o desenvolvimento.

Desde que a temperatura do ninho se mantenha quente o suficiente, um embrião pode permanecer uspenso até duas semanas, até a galinha ter conseguido pôr uma ninhada completa.
Logo que seja produzida a ninhada, a galinha deixa de pôr ovos e começa a chocar, sendo este um processo que envolve sentar-se sobre os ovos por três semanas até os embriões se desenvolverem.

Assim, os pintos nascem todos ao mesmo tempo, com intervalos de poucas horas.
O interior do ovo, essencial para os pintos nacerem contem um embrião que é fertilizado e demora vinte e um dias a desenvolver-se. A casca é composta por carbonato de cálcio e a gema contém no saco vitelino, todos os nutrientes de que o pinto precisa para crecer.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Como as galinhas põem ovos

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 473

788 

Comentários - Como as galinhas põem ovos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios