Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Como Agradar a Uma Mulher

Como Agradar a Uma Mulher

Categoria: Outros
Visitas: 4
Comentários: 1
Como Agradar a Uma Mulher

Dizem muitos homens por aí, que as mulheres deviam trazer um livro de instruções. Dizem que somos complicadas, irritadiças, intolerantes, vaidosas, consumistas, enfim, um mar de coisas apontadas e que nos catalogam logo à partida. Esquecem-se muitas vezes das super mulheres que somos. Trabalhadoras e excelentes profissionais, mães educadoras, donas de casa, organizadores, esposas e amantes, enfim, somos Mulheres.

No meio de tanta coisa a que estamos sujeitas no nosso dia-a-dia, ainda conseguimos estar glamourosas, apaixonadas, ternurentas, bem-dispostas, divertidas, cultas e um sem mais acabar de coisas boas. Mas se logo no inicio de todas estas palavras podemos entrar em contradição quanto ao ser feminino, o que nos faz oscilar de feitio, forma de ser, estar e pensar? A forma como nos agradam.

Somos umas heroínas, pelo que agradar-nos deve ser algo pensado, mas também inconsciente.

Para agradar a uma mulher não é preciso dar a volta ao mundo. Em primeiro lugar, dar atenção a uma mulher é um factor de relevância. Uma mulher que sinta em si as atenções do marido é uma mulher feliz. Quando ela falar, tome atenção e converse. Claro que vai ouvir falar nas novas unhas de gel ou nas madeixas, mas você também lhe fala sobre a mudança das pastilhas dos travões do carro ou o penalty que não foi penalty, não é verdade?

Repare nela. Olhe-a, mas veja-a. Uma mulher gosta de ser vista pela sua cara-metade. Diga lá se não é verdade que muitas vezes olha, mas não a vê? Sabe do que estou a falar, certo?

Diga-lhe que está linda. Mesmo quando ela acordar e estiver sem a maquilhagem e com hálito a sono. A sua mulher é sempre a mais bonita, porque a beleza não se faz só da exterior.

Tem agenda? Telemóvel? Então aponte as datas especiais. Nós sabemos que homens e datas não são compatíveis, mas se apontar no telemóvel, ele vai tocar na data que quer. Ligar-lhe a dar os parabéns pela data em que se conheceram vai fazê-la render-se.

Arranje-se. Claro que quando sai do trabalho vem transpirado ou quando sai do ginásio vem com aspecto de quem veio da guerra, mas tome um duche, faça a barba, perfume-se e aprume-se. Ela vai adorar.

Naturalmente que se levar a sua mulher a jantar fora, organizar uma festa surpresa, oferecer flores sem nenhuma data em especial, ou “empandeirar” os miúdos para os seus pais para passar um serão a dois, vai deixá-la no céu. No entanto, repare que lhe dei tantas dicas que pode utilizar no dia-a-dia, sem gastar dinheiro nem mover mundos e fundos. Amei-a e compreenda-a. Ela vai sentir-se preenchida e vai amá-lo para todo o sempre.


Carla Horta

Título: Como Agradar a Uma Mulher

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 4

792 

Imagem por: mysza831

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • isacisac

    04-04-2011 às 21:55:05

    Muito grato pelo seu texto, tenho 23 anos de idade e 4 de casado e me ajudou bastante. Muito abrigado!

    ¬ Responder

Comentários - Como Agradar a Uma Mulher

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: mysza831

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios