Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Aditivos Alimentares

Aditivos Alimentares

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 1
Aditivos Alimentares

Entende-se por aditivos alimentares aquelas substância que são adicionadas aos alimentos com o fim de melhorar a sua aparência. Desde há muitos anos que os aditivos são utilizados pelo ser humano, desde a utilização do sal (por exemplo no bacalhau) ao uso de vinagre (por exemplo nos picles), estes métodos têm como objetivo prolongar a duração dos alimentos.
Os alimentos podem estar sujeitos a diversas condições ambientais, como por exemplo, alterações de temperatura, oxidação, exposição a microrganismos que podem alterar as suas características iniciais.

Os aditivos alimentares têm assim uma grande importância na manutenção da qualidade e das características dos alimentos, contribuindo para a sua segurança. No entanto, uma má utilização destas substâncias, seja por quantidades elevadas ou por inclusão de um aditiva que não esteja declarado, ou seja, que não esteja aprovado cientificamente, pode causar alguns perigos, como o aparecimento de cancro.

Os aditivos alimentares podem ser classificados tendo em conta dois critérios: pela sua origem ou pela sua ocorrência. Quanto à sua origem podem ser classificados em:
Naturais – são obtidos diretamente da matéria-prima, como por exemplo a lecitina de soja ou de milho e o corante extraído da beterraba;

Artificiais – são produzidos sinteticamente pelo homem. Este tipo é mais utilizado, pois têm menor custo de produção, maior pureza e qualidade.
A segurança dos aditivos é primordial, sendo necessário analisar em primeiro lugar as consequências que podem vir do uso de determinado aditivo.

Os aditivos alimentares devem ser mantidos em observação podendo ser reavaliados sempre que necessário, caso se modifiquem as suas condições de uso. O uso dos aditivos deve ser limitado a certos alimentos, em condições específicas e ao menor nível para alcançar o efeito desejado, a ingestão não deve ultrapassar os valores de ingestão diária aceitável.
Os aditivos são as substâncias adicionadas de propósito aos alimentos, mas sem o intuito de nutrir. São adicionados para alterar as características físicas, químicas, biológicas ou sensoriais durante os processos de preparação do produto (embalagem, armazenamento, transporte e manipulação).

Com o desenvolvimento da indústria alimentar e com o aparecimento da vida moderna têm sido introduzidos novos aditivos. Estes aditivos podem ser de origem natural ou artificial, permitindo em grande escala a produção e o transporte de alimentos a grandes distâncias, ou seja, permite que os alimentos cheguem ao destino, normalmente aos supermercados, com bom aspeto.

Os aditivos utilizados em cada alimento têm que vir mencionados na embalagem desse mesmo produto juntamente com os outros ingredientes. Na União Europeia utiliza-se frequentemente um código único composto por um número antecipado pela letra “E” para informar os consumidores.


Joel Lourenço

Título: Aditivos Alimentares

Autor: Joel Lourenço (todos os textos)

Visitas: 1

635 

Comentários - Aditivos Alimentares

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios