Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A História Da Escrita

A História Da Escrita

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 10

O papiro, da família das ciperáceas, cresce no Nilo. Do talo do papiro se obtém a carta, que foi a matéria escriptória mais difundida durante a Antiguidade e os primeiros tempos medievais. É o primeiro suporte de vida de longa duração. Como o mundo industrial precisava do papiro tinha de haver uma grande produção. Contudo, no século XI deixa de ser usado, sendo substituído pelo pergaminho. Para fazer o papiro cortavam o caule da planta em tiras, dispondo-as lado a lado e em camadas cruzadas. Estas tiras vegetais eram colocadas umas às outras com uma água barreta e depois sujeitas à prensagem entre duas pedras. Por fim a folha do papiro era seca ao ar livre e amaciada com uma pedra de ágata.

O pergaminho é uma matéria escriptória feita com peles de animais (cabra, cordeiro e vitela). Plínio situa o aparecimento do pergaminho no século II a.C. devido à diminuição do papiro. A designação com que ficou conhecido o pergaminho deriva de Pérgamo, uma cidade na Ásia Menor, onde o rei Êumenes II teve de encontrar o material de escrita alternativa ao papiro em falta. Após a morte do animal a pele arrancada era lavada, depois lavada em cola durante vários dias, e por fim era raspada até eliminar pelos e gordura. Os séculos XII, XIII e XIV foram a sua época áurea.

O papel foi inventado na China em 105 d.C. Era feito através de desperdícios têxteis e mais tarde através da celulose e das árvores. Escrevia-se no papel com a pena de ave. Os mais antigos documentos remontam ao século XII.

As tabuinhas enceradas eram pequenas placas de madeira ou de marfim, que tinham uma forma retangular. Geralmente, tinha dois furos na frente que unia por cordas ou correias a margem esquerda do livro fechado. Era usado para várias coisas: anotações de contabilidade, apontamentos privados, algumas eram usadas em dípticos consulares, escolares primárias durante a época romana e como instrumentos públicos notariais. As tabuinhas eram reutilizáveis e tinham uma utilização de longa duração. Só estavam acabadas quando se partiam.

Os instrumentos para escrever eram o cinzel e o buril para a escrita de ponta seca, o cálamo e a pena para a escrita de tinta e o pincel para certas cores. Havia ainda o carvão e o giz para a escrita desenhada.


Daniela Vicente

Título: A História Da Escrita

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 10

677 

Comentários - A História Da Escrita

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios