Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A destruição de Pompeia

A destruição de Pompeia

Categoria: Outros
Comentários: 1
A destruição de Pompeia

Pompeia é uma cidade romana , localizada na região italiana de Campãnia. Contudo, ela foi totalmente destruida pela urupção do Vesúvio, cuja origem foi perto da cidade de Nápoles, na itália.

Esta destruição foi causada por duas fases, de acordo com os estudos estratigráficos realizados. A primeira foi uma destruição pliniana, que se caracteriza por uma ejeção de gás e cinza vulcânica até à estratosfera.

Foi uma grande destruição, que durou aproximadadamente vinte horas e produziu uma chuva de pedra-pomes, com a forma de um cone que se estendeu para sul, por mais de trinta e dois kilómetros.

A segunda fase, mais fatal para o seu povo, foi uma erupão peleana, que consistiu em vastos fluxos , de rápidas correntes de gás sobreaquecido, a cerca de mil graus Celsius, e rocha que se dispersava ao nível do solo e por toda a área circundante.

Tanto uma fase como outra, conduziram óbviamente à asfixia e inceneração de qualquer forma de vida que aí se encontrava.

A acrescentar a estes fatos, a erosão provocou ainda um tsunami , perto da Baía de Nápoles,impossibilitando as tentativas de fuga por barco, e ainda uma série de tremores de terra, que ajudaram também à destruição de casas , templos e pessoas.

Atualmente, foram feitos muitos moldes, criados a partir de corpos que se encontravam aprisionados nos depósitos de cinzas do Vesúvio, a par de outros vestígios vários.
No entanto, apesar destes achados arqueológicos nos depósitos de cinzas, falta documentação para quantificar a percentagem total da população de Pompeia que pareceu no desastre.

Desde essa época, cerca de 79 a.C, o Vesúvio já entrou em muitas erupções, sendo a última delas em 1944.

Hoje as áreas próximas ao monte Vesúvio, continuam habitadas pelos italianos, e o governo italiano prevê já a necessidade de evacuação de emergência, de milhares de pessoas.

Há certas zonas que estão assinaladas, a vermelho, como perigosas e gravemente afetadas.
Embora Pompeia tenha suportado o pior, há regiões em volta do Vesúvio que também sofreram as consequências desastrosas da devastação da erosão.

A destruição provocada pelo Vesúvio, não destruiu sómente a cidade de Pompeia, mas também Herculano e seus habitantes, que formam totalmente destruídos, com o posterior colapso da coluna eruptiva.

Pompeia, hoje é considerado um património mundial da unesco, que todos podem visitar.


Pedro gil Ferreira

Título: A destruição de Pompeia

Autor: Pedro gil Ferreira (todos os textos)

Visitas: 0

762 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Beatriz

    22-11-2012 às 11:30:56

    está praticamente tudo errado

    ¬ Responder

Comentários - A destruição de Pompeia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios