Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A arte rupestre

A arte rupestre

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 56
Comentários: 2
A arte rupestre

Os primeiros desenhos feitos pelo homem, segundo os relatos de testemunhos,datam dos nossos antepassados do Paleolítico, ou idade da pedra. Com efeito a idade da pedra diz respeito ao peróiodo da Pré-História,em que se vivia apenas da caça e da pesca.

Mas, na verdade os caçadores e recoletores já conheciam a arte, que se comprova ser graciosa e com belas pinturas e gravuras nas paredes dos tetos das grutas e cavernas. A beleza destas representações é de fato admirável e ainda hoje existem vestígios delas.

Na Europa existem muitos testemunhos de arte parietal em vários países, sendo os mais numerosos na Península Ibérca e na França. Em Portugal, os seus bvestígios podem ainda encontrar-se nas gravuras do vale do Coa, a mais importante do mundo, deste género, e nas pinturas da gruta do escoural, em Montemor-o-Novo.

Considera-se que o primeiro conjunto de pinturas rupestres, de alguma extensão foi descoberto na caverna de Altamira, em Espanha, em 1979. A beleza dos desenhos antigos sucitou dúvidas sobre a possibilidade de terem sido feitas pelo homem do paleolítico.

Mas, na verdade, segundo estudos realizados depois, chegou-se à conclusão de que as pinturas já tinham sido feitas há 15 ou 12 mil anos. Quem conhece a caverna de Altamira, sabe que ela é relativamente pequena, com cerca de 270 metros de largura.

Tem uma enorme sala de pintura no teto, apelidade de " a capela Sistina da Pré-História", por associar com a beleza das pinturas existentes na capela do vaticano, em Roma. Além desta sala tem uma zona conhecida como vestíbulo e os desenhos retratam animais de grande porte como o bisonte, o javali e cervos.

As cores são de uma vivacidade de cores muito belas, onde se destaca o vermelho, o amarelo, o preto e o dourado. As cores conferem uma sensação de movimento e volume, bastante real, tanto para os animais como para outras cenas que eles retratavam.

É evidente que estes homens do paleolítico, retratavam nas suas pinturas, cenas da vida diária, de caça, pesca, frutos e ainda a sua religiosidade. Esta era ccomo se sabe, politeísta, por adorarem as em especial as forças da natureza, como pedras etc.

O interesse desta arte desde sempre sucitou grande admiração a tem atraído centenas de milhares de visitantes, desde a sua descoberta. Estas duaas grutas de vestígios de arte não são ínicas, no entanto são as que mais gente atrai.

Como o interior das grutas não tinha luz os artistas recorriam ao uso de luz artificial, com lamparinas ou archotes, para as fazerem.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A arte rupestre

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 56

811 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    31-08-2014 às 17:21:20

    Muito interessante essa arte rupestre, bem legal!

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    17-09-2012 às 14:50:10

    A arte rupestre é originária da Pré-História e retrata a vida do dia-a-dia dos hominídeos.Estes homens pintavam cenas de caça e de pesca, frutos e animais de grande porte, rena e cavalo.Como não tinham tintas e pincel pintavam com a mão e com o sangue dos animais que caçavam.

    ¬ Responder

Comentários - A arte rupestre

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios