Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A Adoção em Portugal

A Adoção em Portugal

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 4
Comentários: 1
A Adoção em Portugal

A adoção é um extraordinário ato de amor. Independentemente dos motivos que levam alguém a adotar uma criança, este ato demonstra uma enorme vontade em receber para si alguém a quem dará um amor incondicional, tornando-o num filho à séria.

Se sentimentalmente se julga capaz de adotar e se essa vontade o leva a avançar com o processo, saiba que existem algumas questões que deve saber e ver esclarecidas. Estar informado é fundamental.

O processo de adoção inclui 3 entrevistas para uma avaliação psicossocial dos candidatos, mas em alguns casos, inclui também a frequência em algumas ações de formação. Estas ações de formação têm por objetivo expor casos práticos e reais sobre a adoção e são fundamentais na altura de receber o novo membro da família. Nestas ações que na maioria são feitas em grupo, debatem-se temas importantes, mas principalmente partilham-se dúvidas e ansiedades e aproxima os candidatos que percebem aqui que não são caso único em Portugal.

Quando a candidatura é apresentada, e ultrapassada a fase de avaliação sendo selecionado como candidato, o seu nome é integrado numa lista nacional de candidatos á adoção. Apesar de se tratar de uma lista, a sua ordem não significa se tenha tirado senha para a adoção. Receber uma criança para adotar vai depender de uma enorme variedade de fatores de forma a “ligar” os pais adotivos e a criança.

Quando se adota uma criança, a Lei Portuguesa dá direitos aos pais adotivos e à criança. Quanto à licença de adoção, os pais têm direitos idênticos aos da maternidade (desde que a criança tenha uma idade inferior a 15 anos). 120 Dias gozados por um dos adotantes e pagos a 100% pelo estado, na eventualidade de ser uma criança. Se adotar mais do que uma, acrescem mais 30 dias.

Levar a criança para casa não significa que o processo está concluído, pois é-lhe emitido um Certificado de Pré-adoção emitido pela Segurança Social e que tem a duração de 6 meses. Todo este tempo o processo é acompanhado por uma equipa que visitará a nova família 3 ou 4 vezes durante este período.

É no final deste tempo que será feito um relatório tendo em conta as visitas feitas e a evolução do equilíbrio familiar. Só com estes resultados positivos terá direito á adoção. Nesta altura os pais adotivos devem requerer a adoção plena da criança no Tribunal de família e de Menores da sua zona de residência.


Carla Horta

Título: A Adoção em Portugal

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 4

663 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Sofia NunesSofia Nunes

    18-09-2012 às 10:58:43

    Encaro a adoção, como princípio, como um ato altruísta, especialmente quando vem de pessoas que, não a encarando como a única alternativa à conceção de uma criança que não conseguem levar a cabo (uma motivação inteiramente legítima) adotam, por vezes já tendo filhos biológicos, apenas com o intuito de dar àquela criança uma vida mais digna. Lamento apenas a existência de adotantes que idealizam a criança perfeita, chegando a devolvê-la se não corresponde às expectativas.

    ¬ Responder

Comentários - A Adoção em Portugal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios