Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A Adoção em Portugal

A Adoção em Portugal

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 4
Comentários: 1
A Adoção em Portugal

A adoção é um extraordinário ato de amor. Independentemente dos motivos que levam alguém a adotar uma criança, este ato demonstra uma enorme vontade em receber para si alguém a quem dará um amor incondicional, tornando-o num filho à séria.

Se sentimentalmente se julga capaz de adotar e se essa vontade o leva a avançar com o processo, saiba que existem algumas questões que deve saber e ver esclarecidas. Estar informado é fundamental.

O processo de adoção inclui 3 entrevistas para uma avaliação psicossocial dos candidatos, mas em alguns casos, inclui também a frequência em algumas ações de formação. Estas ações de formação têm por objetivo expor casos práticos e reais sobre a adoção e são fundamentais na altura de receber o novo membro da família. Nestas ações que na maioria são feitas em grupo, debatem-se temas importantes, mas principalmente partilham-se dúvidas e ansiedades e aproxima os candidatos que percebem aqui que não são caso único em Portugal.

Quando a candidatura é apresentada, e ultrapassada a fase de avaliação sendo selecionado como candidato, o seu nome é integrado numa lista nacional de candidatos á adoção. Apesar de se tratar de uma lista, a sua ordem não significa se tenha tirado senha para a adoção. Receber uma criança para adotar vai depender de uma enorme variedade de fatores de forma a “ligar” os pais adotivos e a criança.

Quando se adota uma criança, a Lei Portuguesa dá direitos aos pais adotivos e à criança. Quanto à licença de adoção, os pais têm direitos idênticos aos da maternidade (desde que a criança tenha uma idade inferior a 15 anos). 120 Dias gozados por um dos adotantes e pagos a 100% pelo estado, na eventualidade de ser uma criança. Se adotar mais do que uma, acrescem mais 30 dias.

Levar a criança para casa não significa que o processo está concluído, pois é-lhe emitido um Certificado de Pré-adoção emitido pela Segurança Social e que tem a duração de 6 meses. Todo este tempo o processo é acompanhado por uma equipa que visitará a nova família 3 ou 4 vezes durante este período.

É no final deste tempo que será feito um relatório tendo em conta as visitas feitas e a evolução do equilíbrio familiar. Só com estes resultados positivos terá direito á adoção. Nesta altura os pais adotivos devem requerer a adoção plena da criança no Tribunal de família e de Menores da sua zona de residência.


Carla Horta

Título: A Adoção em Portugal

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 4

663 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Sofia NunesSofia Nunes

    18-09-2012 às 10:58:43

    Encaro a adoção, como princípio, como um ato altruísta, especialmente quando vem de pessoas que, não a encarando como a única alternativa à conceção de uma criança que não conseguem levar a cabo (uma motivação inteiramente legítima) adotam, por vezes já tendo filhos biológicos, apenas com o intuito de dar àquela criança uma vida mais digna. Lamento apenas a existência de adotantes que idealizam a criança perfeita, chegando a devolvê-la se não corresponde às expectativas.

    ¬ Responder

Comentários - A Adoção em Portugal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios