Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Exclusas da Rua

Exclusas da Rua

Categoria: Literatura
Exclusas da Rua

Real

Real é o motivo triste

Ao que meu coração vive

Atravessando a fronteira que

Me leve à perdição

Na fraterna paixão que

Encanta o coração que se

Deixa levar pela lábia venenosa

Da ilusão nas profundezas

De uma escuridão

Que permeia estar tão silenciosa

Quanto aos batimentos cardíacos de quem ama.

Prazer

O prazer cedido pela atração

Entre dois corpos que correspondem

A duas metades de uma moeda e

De um coração onde a metamorfose

Entre as duas almas que com o suave perfume

Deixa o seu rastro por onde passou

De nossa cama que todas às manhãs amanhece

Tão quente quanto ao fogo,

Onde sua fumaça meia cinzenta

Representa vitalidade de um órgão a qual

O amor manifesta e

Exalando o perfume de rosas de sua

Esmera alma.

Não Diga

Não diga sim à intolerância

De cor da pele ou seja lá

Do que for contra a esmera condição

De anjo de sua alma,

Para dizer sim ao amor

Que por não poder dizer faz

Dessa consumada emoção em te ver

Uma doce virtude de quem ama,

De quem sabe definir

Para viver o amor como ela é

Ou deveria ser.

Procurar

Procurar a quem meu coração

Diz sentir algo que mais seja do que o universo

multiplicado por centenas de vezes

Há cada momento a que passamos junto

A essa fênix da paixão

Que como o ardor de um perfume delicado

Se exala pelo horizonte que não há

De um horizonte tão quão misterioso

Quanto a morte do corpo

Para a libertação da alma a que

Tanto devo o cuidado ao tanto amar

Em relação à posse de algo como subjetivo

A que todo mundo tem o dom de sentir,

Como usar e abusar como algo público fosse.

No seu Coração

No seu coração tento implantar

O meu para que sua alma não se fosse

Junto à alma,

Que preso ao corpo de quem

Não o quer que interfira nos sentimentos

nostálgicos de paixão,

Com o deslumbre do ódio de

Quem jamais se permitiu sentir algo que

Tão doce e perfumado fosse como as rosas

Que planto em seu coração

Para preencher nessas folhas em branco

Dessa alma penada e tão teimosa

Uma história que lhe poderia render mais que

À vida, mas sim a vitalidade que é o

Segredo presente na essência de se amar a quem o ama.

Para às Estrelas

Para às estrelas guardo

O seu perfume tão delicado quanto

Ao de uma linda rosa que de um jardim

Se havia por tanto esforço

A plantar por você a quem amo,

A que meu coração se perde na tamanha

Imensidão à que guardo a esperança

Por sua volta a que não tenho o tempo a qual

Terei de esperar por seu amor

Para que ao céu,

Eu apresente às estrelas de um céu

Irradiado pelo amor a que te sinto por tanto

Promover de meu rosto um,

Mesmo que tão breve sorriso.



O Tempo

O tempo a que espero

Pela resposta do seu coração tão perfeito

Que se completa ao meu,

emancipando a dor de tanto amar

E o alívio de ser tão quão correspondido

Pela eternidade,

Ou que se fecha devido a desconfiança

Da incredulidade dessa paixão

Que apavora o coração,

expulsando a alma de seu juízo padrão.


Kaique Barros

Título: Exclusas da Rua

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Exclusas da Rua

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios