Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Autodidata - Seja você o professor

Autodidata - Seja você o professor

Categoria: Literatura
Comentários: 1
Autodidata - Seja você o professor

De certa forma podemos dizer que todos nós somos autodidatas ou aprendizes independentes. Alguns têm mais vontade e curiosidade. Estes fatores são fundamentais em quem se pretende tornar um autodidata de sucesso.

Ser autodidata é aprender de forma independente sobre vários assuntos e até a desempenhar várias tarefas. Um bom autodidata é aquela pessoa do seu círculo de amigos que ‘sabe fazer de tudo’ e ‘se dá bem fazendo qualquer coisa’.

Existem determinadas coisas que nós aprendemos de forma independente, sem necessitarmos de instrução por parte de ninguém ou de nenhum mestre. Utilizando as nossas capacidades de lógica e esforço particular somos capazes de assimilar os mais diversos assuntos individualmente. O convívio com outros e a partilha destas ideias pode levar-nos a aperfeiçoar estes aprendizados.

Existem várias formas de aprendizado individual. Pode começar por pesquisar por sites de aprendizado de idiomas sem custos para o utilizador. Assim como pode tentar outros tipos de cursos on-line, alguns deles até oferecem especialização. Muitos sites já disponibilizam vídeo-aulas e vários conteúdos para que você possa consultá-los imprimi-los e estudá-los.

Neste tipo de educação autodidata quem escolhe o que faz ou o que quer aprender é você. É verdade que não consegue nenhuma especialização com este tipo de estudo mas aumenta em muito a sua cultura geral e o seu nível de conhecimento, o que pode tornar-se muito útil no seu dia-a-dia além de aumentar a sua autoestima e autoconhecimento.

É necessário que ao iniciar um estudo sobre determinado tema tenha presentes as metas e objetivos desse mesmo estudo. Pois como neste tipo de aprendizado não existem terceiros a orientá-lo e exigindo resultados da sua parte a tendência para desistir e não terminar o estudo é muito maior e mais demolidora. Caso ceda a esta tentação perdeu todo o tempo em que esteve a pesquisar pois não irá obter o resultado pretendido.

Se gosta de ambientes calmos e convidativos ao estudo faça-se membro de uma biblioteca. Desta maneira terá o ambiente ideal para começar o seu aprendizado autodidata e alargará, certamente, o seu círculo de amigos. Até pode ser que neste ambiente encontre outras surpresas como outros autodidatas, tal como você, iniciando este processo de aprendizado por conta própria!


Rua Direita

Título: Autodidata - Seja você o professor

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

602 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-04-2014 às 21:21:04

    A habilidade, o desempenho é de cada um. Conforme a pessoa buscar, ela pode ser autodidata. Muito bom seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Comentários - Autodidata - Seja você o professor

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios