Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Jóias Relógios > As Cores do Ouro

As Cores do Ouro

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Jóias Relógios
Visitas: 4
Comentários: 1
As Cores do Ouro

O ouro é o mais nobre dos metais, e encanta a humanidade desde os remotos tempos em que foi encontrado pela primeira vez, em virtude de seu aspeto brilhante, maleável e potencialmente indestrutível. Em estado puro, pesa 24 quilates, tende ao amarelo e, por ser muito mole, sempre se mostrou adequado à fabricação de joias.

Uma das qualidades mais interessantes deste metal é que ele não perde sua pureza ao ser combinado com outros, apenas muda de cor e torna-se resistente, permitindo sua manipulação. Portanto, as cores que o ouro adquire não estão condicionadas à região de onde foi extraído, como são justificadas normalmente. Trata-se, apenas, de um mito. Assim como ao juntar-se a outros metais, a liga continuará sendo de ouro, as cores vão depender de sua composição. Desta forma, o ouro amarelo tem em sua formação os 75% dele próprio, equivalente a 18K, com os outros 25% equilibrados com o cobre e a prata. Entretanto, ao combinar-se com o paládio mais o níquel ou a prata, se converte em ouro branco. E o vermelho vem da combinação com o cobre, o zinco e a prata.

Quaisquer destas ligas, ou qualquer seja a cor em que o ouro se apresente, ele terá o mesmo valor, ao contrário do que se propaga popularmente, ao se repetir falsos especialistas.

O ouro branco, em razão dos metais que dão sua coloração, adquire um aspeto cinzento, sendo mais opaco que os outros. Por isso, esta liga necessita de um tratamento especial com ródio, a fim de que o brilho do ouro seja restaurado. Neste acabamento, normalmente se utiliza um equipamento contendo platina sólida, para garantir a fixação do ródio liquido na joia que deverá ser imersa neste composto. É preciso que não se confunda este processo com o folheamento, pois, nesse caso, o ouro apenas encobre a superfície da joia, enquanto que o ouro branco, mesmo necessitando do banho para revolver o brilho, continua sendo o primeiro metal, com toda sua nobreza. Às vezes, é necessária a repetição do processo, após uso prolongado da joia. Entretanto, o desgaste que ocorre afeta apenas o brilho do adorno, enquanto o metal, ao contrário, permanece intacto.

Então, se sua joia estiver com uma aparência opaca, recorra a um especialista confiável, numa joalheria tradicional, e peça a restauração do brilho. Sua peça voltará à mesma beleza que lhe causou fascínio na primeira vez.


Hediene

Título: As Cores do Ouro

Autor: Hediene Hediene (todos os textos)

Visitas: 4

785 

Imagem por: Lenny Montana

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    09-05-2014 às 16:25:05

    Que interessante saber que o ouro pode se diferenciar dependendo de sua combinação. Ainda bem que, independente disso, continua sendo um ouro de valor. O ouro branco é lindo!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - As Cores do Ouro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Lenny Montana

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios