Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Bancos revelam posicionamento

Bancos revelam posicionamento

Categoria: Empresariais
Comentários: 1
Bancos revelam posicionamento

O crédito determina em muito o ritmo cardíaco de cada entidade bancária. O modo como estas empresas lidam e posicionam o crédito no mercado, materializado nos respectivos cartões (por sua vez caracterizados pelas formas de acesso ao mesmo), assume uma imagem-espelho que reflecte a sua sanidade económica. Nesta inclui-se a hierarquia ou posição concorrencial, o tipo de relação que estabelece com os clientes e a imagem que pretende passar.

Básica e linearmente, pode analisar-se quatro situações em relação aos Cartões de Crédito (CC) apresentados (em similar correlação no que toca aos valores mencionados): a) oferta de CC ao cliente com uma taxa de juro baixa; b) o mesmo que o anterior mas com uma taxa de juro alta; c) neste ponto, o cliente paga o CC obtendo uma taxa de juro baixa; d) ou, na situação de c), o consumidor adquire a aplicação de uma taxa de juro alta.

No primeiro caso, o reflexo notado é a necessidade de tornar o CC acessível ao maior número possível de (potenciais) clientes, justificado pela oferta do mesmo. A taxa de juro baixa associada ao uso do cartão demonstra uma tentaiva de combater a concorrência e de ganhar margem de mercado. Há precisão de entrada de capital, “mascarada” pela atenção dada ao cliente, pois é para ele vantajoso adquirir um cartão deste calibre. O lucro é menor per conta mas a longo prazo, compensa o investimento para o Banco.

No caso seguinte, não obstante a manutenção dos votos de angariação de novos clientes e de maior fidelização aos existentes, a empresa procura valorizar o seu produto. O aumento da taxa de juro revela o preço que se paga pelo acesso a determinado cartão. Convém que este esteja o mais adaptado possível ao cliente em causa ou que lhe ofereça vantagens personalizadas de modo a captar, efectivamente, o cliente, reduzindo o risco de que este “fuja” para a concorrência. Outra leitura de posicionamento mostra que a entidade pode estar numa fase de falta de solidez no mercado ou de confiança no cliente, necessitando, por isso mesmo, de recuperar de modo compensatório a oferta apresentada.

Há um ponto comum a ambos estes dois casos. É notória a posição de combate à concorrência e de procura por um lugar (ou – mais no caso b) - de manter o existente) no mercado, com uma margem de confiança no utente variável (à primeira vista, alta em a) e baixa em b)). Há que usar a sabedoria popular que lembra que “quem não confia, não é de confiança” e compensar essa instabilidade com acções que cativem ou representem garantias através por exemplo de vantagens paralelas ao CC e personalizadas ao cliente.

O terceiro caso denota um bom índice de confiança no cliente e uma boa rentabilidade dos produtos (basicamente no lucro a longo prazo), transpirando uma imagem de um posicionamento saudável no mercado com pretensões ao crescimento sustentado. Há um preço a pagar pelo bem que se pretende obter e esse preço inclui a vantagem de usufruir de uma taxa baixa. Esse valor dado ao produto, distingue-o dos pares, insinuando uma estratificação ao nível do próprio cliente que a ele acede. A taxa aplicada é o anzol que atrai o alimento deste mecanismo, sólido, pois o seu lucro será obtido efectivamente a médio/longo prazo.

O último caso é o típico lugar de monopólio ou afirmação posição histórica, em que a solidez dos anos e da experiência atribuem à posição ocupada um cariz confortável, ao ponto de delinear um status implícito aos utilizadores deste CC. Há um preço que é pago pelo produto e pelo usufruto do mesmo. O juro elevado a ser taxado é o título honorário da classe a que se pretende ascender. O uso deste cartão é quase um privilégio para quem o possui, pois não está ao alcande de qualquer bolsa. Este é o típico Gold ou Platinium, com um sabor elitista para o cliente, uma fonte de lucro contínuo e rápido para o banco, que ao mesmo tempo manifesta uma postura de reafirmação da sua posição no mercado.

Se se conseguir reunir estes quatro tipos numa mesma entidade, temos uma empresa que procura abarcar o mercado no seu todo, com diversos níveis de vida e apostando na revitalização. No entanto, e tal como qualquer outro produto, há que analisar bem os segmentos de mercado no qual se inscreve ou pretende entrar e o público-alvo a que se destina ou o já existente, a fim de conceber o que melhor se adequa aos objectivos comerciais da entidade bancária versus (potenciais) clientes.



Carla Santos

Título: Bancos revelam posicionamento

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 0

666 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Vicente SilvaVicente

    11-07-2014 às 00:53:41

    Adorei o texto sobre bancos revelam posicionamento. Tiraram muitas dúvidas.

    ¬ Responder

Comentários - Bancos revelam posicionamento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Vantagens e desvantagens dos seguros pela internet

Ler próximo texto...

Tema: Seguros
Vantagens e desvantagens dos seguros pela internet\"Rua
Os seguros pela Internet estão a ter cada vez mais procura por parte dos consumidores, especialmente devido ao factor preço, mas também porque as pessoas começam a dominar melhor as ferramentas da Internet e a ter mais confiança nos serviços disponibilizados online.

A grande vantagem de contratar um seguro pela Internet é a possibilidade de conseguir valores muito inferiores aos que conseguiria num mediador de seguros local. Poderá conseguir reduzir o prémio do seu seguro em 50% ou ainda mais. As operadoras de seguros que actuam pela Internet não têm que pagar comissões aos correctores (intermediários) e por isso podem fazer preços mais competitivos. Além disso, poderá também fazer simulações online usando os aplicativos para esse efeito que essas empresas de seguros disponibilizam nos seus sites.

Ao trabalhar com estas empresas não terá que perder tempo em filas de espera nas agências físicas. Todas as operações podem ser efectuadas através da Internet: adesão, alteração de dados, alteração do modelo de seguro, etc., e toda a informação relativa aos seus seguros estará disponível 24 horas por dia na sua conta de cliente.

Para as pessoas que dão grande importância ao contacto pessoal na altura de contratar um serviço, as empresas de seguros pela Internet não são obviamente uma solução, e essa é uma das suas principais desvantagens.

Outra desvantagem é que no caso de haver algum problema terá que ser o próprio cliente a contactar a seguradora e a tratar de tudo que for necessário para a resolução do problema, enquanto se contratar o seus seguros através de um mediador, no caso de haver problemas apenas tem que contactar o seu mediador e será ele a tratar de tudo.

Na minha opinião, para quem percebe o mínimo de Internet e quer poupar dinheiro nos prémios dos seus seguros, obviamente que as seguradoras que actuam pela Internet e telefone (as chamadas low-cost) são sem dúvida a melhor opção.

Se por outro lado, você não domina a Internet e não gosta de se preocupar nem de tratar de papeladas, no caso de ter algum acidente, então o melhor é manter-se em contacto com as agências físicas.

Pesquisar mais textos:

Carlos Vieira

Título:Vantagens e desvantagens dos seguros pela internet

Autor:Carlos Vieira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Francisco Moreira da Silva 04-10-2014 às 11:37:30

    Passados estes anos o canal de vendas de seguros pela internet tem muito pouca representatividade no nosso mercado. Tudo não passa de muita, mas muita, publicidade. É impossível reduzir o prémio de um seguro automóvel(é neste produto que estas seguradoras mais se tentam afirmar) em 50% ou ainda mais. O consumidor de seguros prefere e procura um profissional que EXPLIQUE OS SEUS SEGUROS. No pós venda são os MEDIADORES PROFISSIONAIS DE SEGUROS que melhor desempenham este importantíssimo serviço ao cliente de seguros, oferecendo níveis de serviço muito superiores ao de qualquer seguradora que venda pela internet! … e sem pagar mais por isso! … Sobre este tema haveria muito mais para falar, termino dizendo: O QUE RENDE É IR FAZER O SEGURO NUM MEDIADOR PROFISSIONAL DE SEGUROS.

    ¬ Responder
  • gil 17-06-2014 às 23:03:37

    tontarias , nao vale de nada , treta...

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    29-05-2014 às 16:28:35

    Os seguros pela internet precisam ser bem pesquisados, pois há muitas fraldes. O melhor é receber indicação de alguém que já use o serviço.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios