Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Ted

Ted

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: DVD Filmes
Comentários: 1
Ted

Ted é muito engraçado! Não tem motivo para que eu não amasse uma produção que nasceu do direitor MacFarlane, a mente por trás de várias produções de sucesso. Estrelando como produtor cômico revela que seu jeito de humor é bem agradável e combina bem com o cinema.

Muitissimo semelhante com Família Guy, o filme possui partes de extrema falta de bom senso, humor nada politicamente correto e uma porção de velhas lembranças ao movimento do pop. Sem restringir, o diretor fez um filme comico e adulto com muitas piadinhas proibidas para crianças. Se uma mãe acha que Ted é uma produção onde existe um núcleo familiar perfeito com um ursinho que decide começar a se expressar, não traga sua criança e mude sala para ver um filme mais leve. Se decidir permanecer na sala, fique sabendo que terá que responder váriad questões bem inconvenientes para se discutir com uma criança pequena.

Ted surge no ano de 1985, na época o protagonista do filme, uma criança tímida de aproximadamente 9 anos, ganha um bichinho de pelúcia no final de ano. Sendo que ele é um brinquedinho bem comum, do tipo que quando tem seu estômago pressionado diz amo –te. Num belo dia, o menino presenteado pede algo para seu ursinho ele tem um desejo que o mesmo seja humanizado, ou seja tenha vida e vire uma espécie de irmão para ele.




O pedido vira algo concreto e o ursinho vira uma estrela rapidamente, inclusive participando de programas de televisão.Porém, o ursinho termina caindo no ostracismo, as pessoas não se interessam mais por ele, e o ursinho termina ficando décadas ao lado do seu dono,inclusive fazendo os mesmos programas que ele. Eles estão o tempo todo deitados no sofá onde o protagonista mora com a noiva ,bebendo e usando drogas.

Apesar de ser um tanto forte,é um belo filme.Onde mostra que alguns adultos se recusam a ser adultos,mesmo depois de crescerem e até mesmo saírem das casas dos pais.Esse é o caso do protagonista.Que permanece focado durante boa parte do filme em continuar tendo um amiguinho de pelúcia mesmo com trinta e cinco anos.


Gabriela Torres

Título: Ted

Autor: Gabriela Torres (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    21-09-2012 às 21:02:19

    Gostei do texto e também vi o filme. Este assunto chamou-me a atenção pelo facto de que eu quando era pequena também eu tinha um urso de pelúcia que curiosamente se chama Tedy, e até há uma história curiosa sobre ele. E eu digo: "chama-se" porque ainda o conservo. Tem um grande valor sentimental para mim. :)
    Parabéns pelo texto. Boa continuação!

    ¬ Responder

Comentários - Ted

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Superstições Náuticas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Barcos
Superstições Náuticas\"Rua
Todos temos as nossas manias e superstições. Não que se trate de comportamentos compulsivos, mas a realidade é que mesmo para quem diz que não liga nenhuma a estas coisas, as superstições acompanham-nos.

Passar por baixo de uma escada, deixar a tesoura, uma porta de um armário ou uma gaveta aberta ou até deixar os sapatos em posição oposta ao correcto, são das superstições mais comuns. As Sextas-feiras 13 também criam alguma confusão a muita gente, mas muitos são os que já festejam e brincam com a data.

Somos assim mesmo, supersticiosos, uns mais do que outros, mas é uma essência que carregamos, mesmo que de forma inconsciente.

Existem no entanto profissões que carregam mitos mais assustadores do que outros, e por exemplos muitos actores não entram em palco sem mandar um “miminho” uns aos outros.

Caso de superstição de marinheiro é dos mais sérios e se julga que se trata só de casos vistos em filmes de piratas, desengane-se. Os marinheiros dos dias de hoje carregam superstições tão carregadas de emoção quanto os de outros tempos.

Umas mais caricatas do que outras, as superstições contam histórias e truques. Por exemplo, contra tempestades, muitos marinheiros colam uma moeda no mastro dos navios.

Tal como fazem os actores, desejar boa sorte a um marinheiro antes de embarcar, também não é boa ideia. Os miminhos dados antes de entrar em palco também servem para o efeito.

Dar um novo nome a um barco é uma péssima ideia para um marinheiro. Dizem que muitos há que não navegam em barcos rebaptizados.

Lembra-se que os piratas de outros tempos utilizavam brincos? Pois isto faz parte de uma superstição. Dizem que os brincos evitam que se afoguem.

Entrar com um pé direito na embarcação é sinal de bons ventos. Tal como acontece com muitos de nós, os marinheiros também não gostam de entrar de pé esquerdo.

Já desde remotos tempos se dia que assobiar traz tempestades. Ora aqui está um mote dos marinheiros, pelo que se assobiar numa embarcação, arrisca-se a ter chatices com o marinheiro.

Verdades ou mentiras, as superstições existem e se manter os seus próprios mitos acalma um marinheiro, então que assim seja. Venham as superstições náuticas que cá estamos para as ouvir.

Já agora uma curiosidade ainda maior. Dizem que se tocar a gola de um marinheiro passará a ter sorte. Será verdade ou foi um marinheiro que inventou?

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Superstições Náuticas

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 06:39:27

    Não acredito em superstições de forma alguma.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios