Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Dois filmes, uma história - Lolita

Dois filmes, uma história - Lolita

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: DVD Filmes
Dois filmes, uma história - Lolita

Lolita é a personagem que dá nome à obra-prima de Nabokov, um livro escrito em 1955 em inglês por um autor russo, consagrando-se como um dos grandes romances da literatura. Foram dois os realizadores que se atreveram a adaptar esta história tão controversa ao cinema – Stanley Kubrik em 1961 e Adrian Lyne em 1997. São, efetivamente, filmes tremendamente distintos, tanto pela censura da época que fez Kubrik colaborar com o próprio Nabokov na produção de um argumento adaptado que contornasse as cenas mais controversas, como pelo simples facto de que se trata de dois realizadores com visões diferentes tanto da arte cinematográfica como da própria história do livro “Lolita”.

Kubrik é, indisputavelmente, um dos melhores e mais originais realizadores de sempre. Em “Lolita”, um filme a preto e branco, pegou na perturbadora história do amor e posse sentidos e exercidos sobre Lolita, uma adolescente de 14 anos, por Humbert, professor universitário hospedado na casa da sua mãe que se viria a transformar no seu padrasto e depois, com a morte da esposa, no seu tutor legal, e transformou-a numa comédia negra. Com isto, Kubrik perdeu o essencial da história, a sua carga emotiva, apresentado um filme impecável do ponto de vista da realização, mas não da história.

O realizador da versão de 1997, Adrian Lyne, apresenta-nos um filme com alguns momentos de comédia, é certo, mas que é em essência dramático. E assim deparamo-nos com um filme retorcido, perturbado, como é a própria história que relata. Dolores Haze, chamada Lolita por Humbert, é uma ninfa que alterna entre a inocência e a provocação, enquanto Humbert é o homem que, em adolescente, perdeu o seu primeiro amor para a morte por tifo, vendo-se agora cego pela violenta paixão por Lolita, e o espectador dá por si a compadecer-se dele. É aqui que reside a mestria do filme de Lyne, que o transforma numa obra muito mais poderosa que a de Kubrik.

Ambos os filmes merecem ser vistos, sendo duas visões diferentes sobre um grande clássico da literatura. Ainda que o natural seja tendermos a esperar mais do filme de Kubrik, o de Lyne é, na realidade, a verdadeira adaptação cinematográfica Lolita.

Sofia Nunes

Título: Dois filmes, uma história - Lolita

Autor: Sofia Nunes (todos os textos)

Visitas: 0

648 

Comentários - Dois filmes, uma história - Lolita

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios