Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Decoração > Seja autodidacta!

Seja autodidacta!

Categoria: Decoração
Visitas: 4
Comentários: 1
Seja autodidacta!

A decoração, mais ou menos aprimorada, é sempre expressão de uma arte reveladora de determinado sentido estético, designativo de parte do perfil do carácter de alguém. As cores, as formas, os arranjos, a simplicidade ou a sofisticação, o aproveitamento, ou não, de certas áreas, o apreço pela exaltação da luz ou da penumbra, a opção por plantas e objectos naturais ou artificiais, o entupimento de prateleiras com bugigangas ou a sua nudez, a aplicação de cortinados mais leves ou mais pesados, entre muitos outros parâmetros, falam de e por si. Efectivamente, as pessoas procuram sentir-se bem no seu próprio espaço, e, para isso, acomodam-no ao seu gosto, de modo a conseguirem o conforto que desejam e a identificação que lhes permite exclamar «lar, doce lar».

O tema da decoração delineia em muitas cabeças a ideia errada de se tratar de um assunto de especialistas. É certo que estes possuem formação adequada para prestar um serviço com qualidade técnica, mas também é verdade que, em última análise, o que vigora é a preferência pessoal, detectável por traços bem marcados. Sendo assim, pode pedir-se uma opinião ou constatar que se aprecia o estilo do (a) decorador (a), mas será de muito mau tom e sinal de pouco senso deixar tudo apenas nas mãos de profissionais. A noção de estética denota uma forma de inteligência cujo espectro se estende a todas os campos da vida, pelo que convém treiná-la.

Quem tiver jeito para os trabalhos manuais, a pintura e afins, pode construir, a seu bel-prazer, artefactos que embelezem a casa e transmitam a “alma” de quem lá vive. A família, retratada por um dos seus membros apresenta, não só a fisionomia exterior, como deixa transparecer, através do engrandecimento de alguma característica, raias dos sentimentos que melhor a definem. Os retratos quase ganham vida por si mesmos!
Bem, os mortos não ressuscitam nem se devem esperar milagres relativamente à evaporação das deformidades… O engenho do artista apenas pode sublimar, mas não apagar, contornos de total imperfeição, e, para o trabalho ser fidedigno, inventar o menos possível atributos favoráveis. Por outro lado, as manufacturas que povoem o ambiente traduzem, além do talento, âmbitos de cultura e predilecção do (s) autor (es).

Com isto, não se quer dizer que tenha na parede quadros exageradamente ultra-realistas que, por exemplo, exibam um cacho de uvas de tal modo perfeito que as visitas lhe tentem arrancar bagos, ou mostrem um cão tão impressionantemente real que as autoridades sanitárias o obriguem a vaciná-lo…!

Maria Bijóias

Título: Seja autodidacta!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Lucas

    25-06-2014 às 19:19:19

    Em momento nenhum você menciona que para organizar uma biblioteca, pessoal ou não, é bom contar com um bibliotecário. Trabalho em uma biblioteca, com carteira assinada, e organizo, nas horas vagas bibliotecas particulares. Por que não sugerir no seu texto um bibliotecário? Aproveito a oportunidade para lhe corrigir quando diz que os livros devem receber luminosidade solar. Não, nunca, jamais luz solar direta, pois isto tem uma relação direta com o desgaste natural e pode até acelerar a acidificação das folhas.

    ¬ Responder

Comentários - Seja autodidacta!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios