Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Barco à vela

Barco à vela

Categoria: Barcos
Visitas: 2
Comentários: 1
Barco à vela

Falemos de um barco muito conhecido, muito histórico e que tende a evoluir com o passar das décadas, o barco à vela. Ele “diz a história” apareceu no Mar Mediterrâneo, usado pelos gregos e depois pelos romanos, com velas ainda nada desenvolvidas, aproveitavam os ventos com esta nova forma de barco para poderem aproveitar a sua deixa para talvez seus afazeres. A vela conhecida como latina, e muito popular pela sua forma triangular, muito manobrável, foi assim utilizada como fins pesqueiros na idade média pelos genoveses em comércio com Bizâncio, passando depois pelos Vikings, estes aperfeiçoaram o sistema da vela e da quilha, usando não só a forma da vela triangular como também quadrada para “combater” assim as adversidades conforme o mar lhes propunha. Por fim, seguiu-se o aproveitamento pelos ibéricos, que em caravelas alvejaram muitas das suas descobertas. Já com o apogeu no início do século XIX, quando os grandes “CLIPPERS” , estes eram os reis dos mares, foram então depois superados como meio de transporte pelo barco a vapor, mas sobreviveram como barco delazer e exporte. Existem alguns tipos de veleiros, como por exemplo no quadro dos veleiros latinos temos o Chalupa (embarcação de pequeno porte), o Cúter (veleiro de pequeno porte com um só mastro), o Ketch (veleiro com dois mastros) e o Yaw (embarcação de pequeno porte). Já no tipo de veleiros redondos temos a Barca (tipo de embarcação de transporte marítimo e fluvial), o Brigue (tipo de embarcação à vela, com dois/três mastros) e o Galera (tipo de veleiro de três ou mais mastros e de vela redonda). Existem também outros tipos de veleiros, dos quais o Lugre (é um veleiro com três ou mais mastros), o Clipper (é um tipo de veleiro mercante de grande porte muito veloz), Patacho ( é um barco à vela, de dois mastros tendo, a vela de proa redonda), Escuna (é um tipo de veleiro caracterizado por usar velas de popa a proa em dois ou mais mastros), Palhabote (veleiro de dois mastros) Iate (embarcação à vela ou motor) e o Bergantim ( é uma embarcação do tipo da galé, de um a dois mastros e velas redondas ) Para quem não sabe, um veleiro é uma embarcação propelida por um velame, com um conjunto de velas com próprios recortes, estes calculados ao pormenor, sendo elas apoiadas por um ou mais mastros controlados por vários cabos, e a todo este sistema se dá o nome de armadoria.

André Belacorça

Título: Barco à vela

Autor: André Belacorça (todos os textos)

Visitas: 2

807 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 06:25:48

    Nunca esqueceremos dos barcos à vela.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Barco à vela

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios