Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Barco à vela

Barco à vela

Categoria: Barcos
Visitas: 2
Comentários: 1
Barco à vela

Falemos de um barco muito conhecido, muito histórico e que tende a evoluir com o passar das décadas, o barco à vela. Ele “diz a história” apareceu no Mar Mediterrâneo, usado pelos gregos e depois pelos romanos, com velas ainda nada desenvolvidas, aproveitavam os ventos com esta nova forma de barco para poderem aproveitar a sua deixa para talvez seus afazeres. A vela conhecida como latina, e muito popular pela sua forma triangular, muito manobrável, foi assim utilizada como fins pesqueiros na idade média pelos genoveses em comércio com Bizâncio, passando depois pelos Vikings, estes aperfeiçoaram o sistema da vela e da quilha, usando não só a forma da vela triangular como também quadrada para “combater” assim as adversidades conforme o mar lhes propunha. Por fim, seguiu-se o aproveitamento pelos ibéricos, que em caravelas alvejaram muitas das suas descobertas. Já com o apogeu no início do século XIX, quando os grandes “CLIPPERS” , estes eram os reis dos mares, foram então depois superados como meio de transporte pelo barco a vapor, mas sobreviveram como barco delazer e exporte. Existem alguns tipos de veleiros, como por exemplo no quadro dos veleiros latinos temos o Chalupa (embarcação de pequeno porte), o Cúter (veleiro de pequeno porte com um só mastro), o Ketch (veleiro com dois mastros) e o Yaw (embarcação de pequeno porte). Já no tipo de veleiros redondos temos a Barca (tipo de embarcação de transporte marítimo e fluvial), o Brigue (tipo de embarcação à vela, com dois/três mastros) e o Galera (tipo de veleiro de três ou mais mastros e de vela redonda). Existem também outros tipos de veleiros, dos quais o Lugre (é um veleiro com três ou mais mastros), o Clipper (é um tipo de veleiro mercante de grande porte muito veloz), Patacho ( é um barco à vela, de dois mastros tendo, a vela de proa redonda), Escuna (é um tipo de veleiro caracterizado por usar velas de popa a proa em dois ou mais mastros), Palhabote (veleiro de dois mastros) Iate (embarcação à vela ou motor) e o Bergantim ( é uma embarcação do tipo da galé, de um a dois mastros e velas redondas ) Para quem não sabe, um veleiro é uma embarcação propelida por um velame, com um conjunto de velas com próprios recortes, estes calculados ao pormenor, sendo elas apoiadas por um ou mais mastros controlados por vários cabos, e a todo este sistema se dá o nome de armadoria.

André Belacorça

Título: Barco à vela

Autor: André Belacorça (todos os textos)

Visitas: 2

807 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 06:25:48

    Nunca esqueceremos dos barcos à vela.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Barco à vela

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios