Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Feijão Tropeiro - Prato típico brasileiro

Feijão Tropeiro - Prato típico brasileiro

Categoria: Alimentação
Visitas: 6
Comentários: 7
Feijão Tropeiro - Prato típico brasileiro

A culinária mineira, descende das grandes fazendas da época da colonização. Seus ingredientes eram e são ainda hoje cultivados na maioria das casas no interior de Minas Gerais. É impressionante a vasta gama de pratos mineiros conseguida com ingredientes tão simples como tubérculos e hortaliças e alguns de origem animal como porcos e galinhas. Mesmo assim, a cozinha mineira talvez seja a mais apreciada em todo o Brasil.

Seu modo de preparo é até hoje preservado em grande parte das cidades mineiras. Até os restaurantes mais requintados de Minas Gerais, preferem cozinhar nos fogões à lenha, em grandes panelas de ferro, o que parece revelar o segredo de seu inigualável sabor. Durante o período colonial, no chamado “ciclo do ouro”, cavaleiros organizados em “tropas”, assim chamadas, eram encarregados de levar o ouro retirado das minas, até a capital do pais onde este seria comercializado. Durante essas viagens, em suas paradas para descansar e se alimentarem, preparavam o seu almoço, que consistia nos poucos ingredientes que traziam. Eram na sua maioria, feijão, lingüiça, torresmos, e farinha de mandioca. O tempero era basicamente o sal, a cebola e o alho. E foi dessa maneira que nasceu o Feijão Tropeiro.

Hoje é um prato que não pode faltar em qualquer restaurante mineiro. Sua simplicidade de preparo não deixa escapar o sabor que encanta a todos que um dia degustaram essa iguaria do cardápio mineiro. Uma receita simples e de fácil preparo, mas que encanta qualquer um que ousar desfrutar de um dos pratos mais típicos da cozinha mineira.

Ingredientes:
- 1 kg de feijão fradinho

- 5 ovos

- 2 dentes de alho

- 1 cebola pequena

- 1 pimentão verde

- 1 maço de cheiro-verde

- 3 maços de couve

- 250 gramas de toucinho

- 250 gramas de lingüiça fresca picada ou mais se desejar (cuidado para não exagerar).

- Farinha de mandioca

- Sal a gosto

Modo de preparo:
Cozinhe o feijão e deixe este reservado. Cozinhe os ovos e corte-os em cubinhos. Em uma panela, frite a lingüiça e o toucinho em pedaços pequenos para fazer os torresmos. Quando estiverem prontos, retire-os e deixe de lado. Na mesma panela refogue o alho, a cebola e em seguida coloque o pimentão e o cheiro-verde. Acrescente o feijão. Corte a couve bem fininha e junte ao feijão. Coloque também os ovos a lingüiça e os torresmos. Agora com todo cuidado e mexendo sempre, vá colocando aos poucos a farinha de mandioca. O ideal é que tome a consistência de uma leve farofa. Está pronto o seu feijão tropeiro, como era preparado antigamente nos acampamentos. Pode ser servido com arroz branco e carnes assadas, ou como sua imaginação mandar.


Celia Silva

Título: Feijão Tropeiro - Prato típico brasileiro

Autor: Celia Silva (todos os textos)

Visitas: 6

785 

Imagem por: net_efekt

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 7 )    recentes

  • SophiaSophia

    15-06-2014 às 04:08:23

    Já experimentei o feijão tropeiro e é delicioso! Quem puder, experimente que vai gostar muuuitoooo!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    16-09-2012 às 12:30:04

    nunca tinha ouvido falar do feijão topeiro, mas já ouvi falar do famoso feijão preto, que é óptimo a acompanhar um prato de picanha. desconhecia a origem da cozinha brasileira na exploração mineira. parece-me uma história muito bonita. pode até ser muito bom, mas eu fico-me pelo feijão preto mesmo. muito saboroso. parabéns pelo seu texto, está muito interessante e nunca tinha lido nada sobre este tema. é isso que pretendemos, ler sempre novidades.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojanessa

    02-09-2010 às 11:41:03

    d++ essa receita

    ¬ Responder
  • danielydaniely

    27-08-2010 às 03:50:06

    eu adoro este prato,minha mae e mineira,e faz maravilhas de la...

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDion

    10-05-2010 às 15:30:51

    @Carlos
    Cara voce não sabe o que é bom!è melhor ficar calado para não dizer asneira.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarlos

    10-05-2010 às 15:29:39

    Já provei e não gostei não! É horroroso...Feijoada portuguesa é muito melhor.

    ¬ Responder
  • karen brunnakaren brunna

    10-05-2010 às 14:52:22

    e muito bom

    ¬ Responder

Comentários - Feijão Tropeiro - Prato típico brasileiro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: net_efekt

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios