Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Ervas Aromáticas

Ervas Aromáticas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alimentação
Comentários: 2
Ervas Aromáticas

Para cozinharmos é preferível termos à disposição ervas aromáticas frescas. Estas podem ser cultivadas em pequenos vasos e colocados no peitoril das janelas ou nas varandas, de modova que possamos colher sempre que precisarmos. Quem tiver quintal para cultivar, tanto melhor. Todavia, se isso não for possível, poderemos recorrer às ervas aromáticas secas que se conservam hermeticamente ao abrigo da luz e da humidade durante nove meses.

De seguida, indicam-se algumas ervas aromáticas mais utilizadas na nossa culinária.

Salsa: colhe-se com o pê e pendura-se a secar em local escuro e arejado.
Também podemos utilizá-la fresca. É aconselhável adicioná-la à cozedura sempre nos últimos instantes para que o seu sabor não se altere.

Oregãos: colhem-se os raminhos e penduram-se em pequenos molhos num local arejado e escuro. Assim que as folhas estiverem secas, esmiúçam-se e colocam-se num frasco de vidro. São muito utilizados juntamente com vegetais, como o tomate e a beringela.

Louro: as folhas de louro podem ser colhidas durante todo o ano. No entanto, as melhores são as colhidas em Julho/Agosto e secas à sombra. O outono é a estação mais indicada para a colheita das bagas aromáticas que são secas à sombra.

Estragão: erva de sabor ligeiramente picante e intenso, é utilizada para dar sabor aos assados e saladas. A sua utilização é muito conhecida para aromatizar o vinagre e a mostarda. Deve-se conservar as folhas em recipientes de vidro depois de secas em local ventilado.

Hortelã: utiliza-se crua em saladas mistas, no cozido à portuguesa, nas favas estufadas, com courgettes aloiradas em azeite e alho, nos molhos e acompanhamentos.
A hotelã-pimenta é utilizada na preparação de licores, bebidas e doçaria.

Alecrim: secam-se os raminhos em local arejado e colocam-se em frascos de vidro ou em sacos de papel. É adequado para cozinhar carnes, assados ou peixe grelhado.

Salva: secam-se os raminhos em local seco e escuro, retiram-se as folhas e conservam-se em frascos de vidro. Recomenda-se secar as folhas mais velhas, arrancadas na base da planta, porque são mais ricas em aroma.

Tomilho: para secar, cortam-se os ramos pela base e juntam-se em molhos, colocando-os depois em local escuro, seco e ventilado. Depois, separam-se as folhas dos ramos, batendo-lhes, e conservam-se em frascos de vidro.


Cristina Sousa

Título: Ervas Aromáticas

Autor: Cristina Sousa (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãohenrique

    03-02-2013 às 19:06:01

    As ervas aromaticas, foram retratadas com dignidade, que bem!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãorita

    03-02-2013 às 19:02:50

    muito bom , fantastica ajuda, obrigado

    ¬ Responder

Comentários - Ervas Aromáticas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios