Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Cultura dos queijos

Cultura dos queijos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alimentação
Cultura dos queijos

Os queijos tradicionais do nosso país é a arte mais antiga de sempre, provavelmente desde o tempo neolítico que são fabricados com leite de vaca, cabra, ovelha ou de mistura.

Utilizando ainda o método antigo de fazer queijo á mão, se bem que com o avanço das tecnologias, a maioria do queijo é fabricado por maquinas industrializadas. A arte de fabricar queijo com as próprias mãos é passada de geração em geração, dos pais para os filhos com os segredos deste alimento, no que diz respeito às temperaturas da mão, do coalho do queijo, o vira-lo e à mudança de cintas.

Os queijos mais conhecidos de Portugal com denominação de origem protegida são os queijos de Tomar, os queijos de Serpa, os queijos de Azeitão, de Cabra Transmontano, da Serra da Estrela, de Nisa, do Pico (Ilhas), de Évora, da Beira Baixa e do Rabaçal.

Durante o dia o queijo deve ser servido num prato com algumas variedades conforme a época do ano, acompanhado de nozes, pimenta, pão ou tostas, no fim de uma refeição, antes da sobremesa. O vinho tinto é a bebida de eleição para acompanhar o queijo com duas fatias de pão, de preferência da mesma região do queijo.

A degustação de um queijo requer os cinco sentidos apurados: - A vista para observar o aspeto, cor, casca (rugosa ou lisa) e pasta (macia ou áspera, quebradiça ou seca); - O ouvido de forma a calcular o tipo de batimento na palma da mão; - O olfacto; - O paladar para saborear o seu gosto.

A dimensão dos queijos e forma geométrica podem-se definir como grandes, médios ou pequenos, de várias formas como alto, baixo, longo, cilindro, redondo e esférico.

Os queijos podem ser classificados de várias formas a nível nacional para uma melhor compreensão, sendo as classificações determinadas pelo tipo de pasta e queijo. As pastas existentes para cada tipo de queijo é a pasta fresca, mole, semiduras, duras e extraduras, e os queijos como queijo azul, fundido ou de fantasia (pasta mole).

As vitaminas do queijo, transmitidas para o ser humano em grande parte é o cálcio, uma vez que provem diretamente do leite, contendo ainda proteína biológica com todos os aminoácidos necessários, rico em vitaminas A, B e D, magnésio e iodo.

Os queijos no geral apesar de se apresentarem em diversas formas e feitios, as quantidades de vitaminas no queijo também variam, no caso de queijos curados ou duros, têm mais cálcio, fosforo e vitamina A, no caso de queijos moles contêm as vitaminas B.


Sandra Mendes

Título: Cultura dos queijos

Autor: Sandra Mendes (todos os textos)

Visitas: 0

633 

Comentários - Cultura dos queijos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios