Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Utilidades Domésticas > Mercados impelem à inovação

Mercados impelem à inovação

Comentários: 1
Mercados impelem à inovação

Porque motivo o frigorífico não pode ser cor de laranja, uma máquina de lavar rosa bébé, de secar roupa amarela e uma de lavar a louça azul e branca? Porque motivo não se concilia o funcional com o lúdico e se distribui flores ou formas geométricas coloridas para aplicar nos electrodomésticos? Ou, para ilustrar as épocas festivas, coelhinhos para colar na Páscoa, azevinho ou uns duendes no Natal e um arco-íris, elaborado com as cores do nosso gosto e acompanhado por uns tesouros, nos aniversários?

Porque não se aplicam materiais laváveis nalguns electrodomésticos, que possam fazer as delícias das crianças da casa, dando asas à sua criatividade artística de desenho com os seus lápis coloridos, enquanto a mãe prepara o jantar e o pai a sobremesa? Promove-se o encontro, a conversa, a brincadeira e a risada, altera-se as roupagens dos electrodomésticos ao ritmo da vontade dos pais e dos pequenotes e marca-se a diferença.

E porque não pensar na protecção das crianças (fruto da maiorias dos lares) e construir equipamentos domésticos com formas mais arredondadas, revestidas com materiais amortecedores em zonas de potencial perigo, para atenuar danos em caso de choque ou de queda, tão vulgares em qualquer criança?

Ora aí estão algumas respostas que podem marcar a diferença no mercado cada vez mais competitivo das utilidades domésticas. Se estas foram criadas para, ao longo dos tempos, facilitar cada vez mais o desempenho das tarefas, podem no século XXI constituir também uma parte do nosso meio de evasão, quer pela sua aparência e forma de encaixe decorativo no todo que constitui o lar, quer por uma faceta lúdica que possa adaptar-se a qualquer gosto ou ambiente.

Inovar para diferenciar é a chave para solucionar a estagnação que se vive actualmente. Os mercados das utilidades domésticas, que há 50 anos eram consideradas um bem de luxo, há 30 de segunda necessidade e hoje um produto que encaixa o top das prioridades de qualquer adulto, exigem uma mudança.

Há que aproveitar a evolução técnica, social e económica e construir um posicionamento distintivo, que marque a diferença face à concorrência e atraia a atenção e o desejo do consumidor, oferecendo-lhe mais-valias ajustáveis à sua realidade. Personalizar, apresentar utilidades múltiplas (ou acessórios capazes de o assegurar), acompanhar o Cliente ao longo da vida e do ciclo do produto são três pólos que fazem a diferença.



Carla Santos

Título: Mercados impelem à inovação

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 0

622 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    07-06-2014 às 21:03:45

    O mercado é volátil. O que hoje faz sucesso, amanhã já não o faz. Por isso, as empresas investem cada vez mais em inovação - eis aí o perigo também do consumismo!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Mercados impelem à inovação

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios