Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Serviços > Quando os serviços falham

Quando os serviços falham

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Serviços
Comentários: 1
Quando os serviços falham

A falha num serviço pode causar enormes “dores de cabeça” e prejuízos aos utilizadores, especialmente se a empresa prestadora do serviço não for rápida e eficaz na reposição do serviço.

Na maioria dos casos, as falhas no serviço são da responsabilidade da empresa prestadora do serviço no entanto quem sai penalizado é o utilizador. Caso a empresa não disponha de linhas de apoio gratuitas, o utilizador entra desde logo em despesas devido aos custos da chamada telefónica para comunicar o problema. Em alguns casos esta “brincadeira” pode mesmo sair bem cara, se o utilizador tiver que estar largos minutos em espera até poder falar com um operador. Esta situação é bastante comum e certamente que você também já passou por isto pelo menos uma vez. Esta é também uma característica comum a grande parte das empresas prestadoras de serviços, sendo que essa despesa será da sua conta.

Por outro lado, pode sempre reclamar e não pagar o serviço durante os dias em que não usufruiu desse mesmo serviço. No entanto, caso se trate de um serviço do qual depende a sua atividade profissional, como pode ser o caso da sua ligação à Internet, do seu serviço de telefone ou fax, ou outro similar, certamente que o facto de não ter que pagar os dias em que não usufruiu do serviço não o irá deixar especialmente satisfeito, uma vez que irá ter imensos prejuízos ou pelo menos grandes incómodos por não poder realizar o seu trabalho no seu local de trabalho habitual (escritório ou empresa).

Hoje em dia os utilizadores já estão mais alerta para este tipo de situações e cada vez mais reclamam pelos seus direitos e pressionam as empresas para que elas resolvam os problemas o mais rapidamente possível, sendo que um dos grandes fatores de competitividade das empresas é também o tempo de resposta e eficácia na resolução deste tipo de problemas. Uma resposta ineficiente ou demorada numa situação de falha no serviço pode significar a perda do cliente. Sabendo que a angariação de um novo cliente custa em média dez vezes mais do que manter um cliente já existente, estas situações transformaram-se em fatores críticos para as empresas.

Para o crescimento das empresas é sem dúvida importante a angariação constante de novos clientes, no entanto não deve ser nunca descurada a qualidade dos serviços prestados e a satisfação dos clientes. Este é um fator crítico de sucesso, e uma empresa que não aposte na qualidade dos seus serviços e na satisfação dos seus clientes certamente não terá um futuro muito risonho.


Carlos Vieira

Título: Quando os serviços falham

Autor: Carlos Vieira (todos os textos)

Visitas: 0

611 

Imagem por: Jayel Aheram

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    31-05-2014 às 03:25:51

    Quando uma empresa falha em algum serviço é até perdoável da primeira vez, mas quando se torna algo corriqueiro e habitual já perde toda a credibilidade do início. A empresa precisa atender sempre as necessidades dos clientes, independente de tudo!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Quando os serviços falham

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Jayel Aheram

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios