Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Será que devo fazer um exame ginecológico?

Será que devo fazer um exame ginecológico?

Categoria: Saúde
Comentários: 1
Será que devo fazer um exame ginecológico?

É do conhecimento comum, ou pelo menos entre as mulheres, que a ida ao ginecologista tem de ser regular. Se fazemos análises clínicas e consultas rotineiras pelo menos uma vez por ano, um exame ginecológico também deve fazer parte das visitas anuais.

Umas quantas constipações ou entorses, levam-nos algumas vezes a uma urgência num centro de saúde ou a um hospital, mas até aí, nada de novo se conta. O que muitas vezes não se faz é consultar o ginecologista fora da marcação da nossa agenda.

Enquanto mulheres, somos verdadeiras heroínas. O nosso papel na sociedade é hiper-activo, enquanto profissionais, mulheres, mães, esposas, enfim, uma quantidade de coisas. Mas o facto de termos de ser mulheres na sociedade, faz-nos muitas vezes nos esquecermos de coisas realmente importantes, como a nossa saúde. Não poder faltar ao emprego, ter de ir buscar os filhos à escola, são apenas algumas das muitas coisas que nos impede de ir a um ginecologista por breves e leves suspeitas de que alguma coisa não está bem.

Mas em que situações devo dirigir-me ao meu ginecologista?

Bem, a pergunta pode ter uma resposta que pode não ir ao encontro de muitas mulheres, que banalizam sinais e evidencias que com o passar do tempo se podem tornar preocupantes.

Acontece com alguma frequência, o chamado corrimento vaginal. Umas vezes com uma cor mais escura, mesmo que a fase da menstruação esteja longe e a pílula esteja a meio da caixinha. Este corrimento pode ser provocado por várias coisas, como alguma toma de um medicamento que está a cortar o efeito da pílula, o stress, ou uma alimentação desregulada.

No entanto, muitas mulheres não ligam a este factor e deixam passar sem dar grande importância. Acontece que a acompanhar este corrimento, poderá surgir cheiros e tonalidades mais fortes, o que pode indicar que existia uma pequena infecção inicial e que passou a uma situação mais complicada.

Dores durante a relação sexual que antes não existiam, também pode ser um sintoma estranho, embora também possa ser passageiro.

Mais importante do que isto (ou não, naturalmente), poderá ser uma apalpação ao peito e a detecção de um pequeno nódulo. Nesta situação, a visita pode ter de ser feita com mais urgência ainda.

O seu corpo pode não ser completamente certo e regulado, mas uma coisa é certa, todas conhecemos os nossos próprios sinais. Apesar de muitas vezes não termos dor, nada como ir a um ginecologista se acharmos que algo de estranho se passa no nosso corpo. Muitas situações de vida ou de morte podem ser evitadas com visitas regulares e excessos de controlo, por isso, decida-se por exames ginecológicos com mais frequência.


Carla Horta

Título: Será que devo fazer um exame ginecológico?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

638 

Imagem por: The Heart Truth

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • priscila

    22-10-2013 às 03:44:46

    Ola, sou virgem aos 23 anos e nunca fui ao demartologista, mais sinto umas dorea perto da barriga, e ate na vagina, acho estranho, tenho medo de ser algjm tipo de doenca que pode se agravar no fulturo, o que acha que pode ser? Devo assi, mesmo proucurar u, demartologista?

    ¬ Responder

Comentários - Será que devo fazer um exame ginecológico?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Imagem por: The Heart Truth

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios