Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > O perigo das farpas

O perigo das farpas

Categoria: Saúde
Visitas: 680
Comentários: 11
O perigo das farpas

Pensei um pouco antes de escrever este texto. Na realidade, não há muito a dizer sobre este tema, talvez até já todos tenham as noções básicas de como solucionar o problema.

Mas a realidade é que já abordei aqui temas bem mais complexos, alguns deles até um pouco difíceis de pôr em prática, porque felizmente não ocorrem com muita frequência.

Por outro lado, é comum não se dar a devida importância quando espetemos uma farpa ou um espinho na mão ou em algum outro local do corpo. Tenta-se minimizar o acontecimento, mas a realidade é que se não despendemos algum tempo tentando solucionar o problema, podem ocorrer complicações mais demoradas e difíceis de tratar. Na realidade, se as farpas ou os espinhos não forem tirados com alguma brevidade, os tecidos em redor da lesão podem ficar infectados e desenvolver um estado de infecção mais complexo.

Regra geral, a vítima queixa-se de dor e sensibilidade no local. Devemos estar atentos para possíveis sinais de infecção ou inflamação, como edema, calor e dor.

Antes demais, comece por lavar a pele cuidadosamente em redor da ferida com sabão e água morna ou com um anti-séptico. Deve limpar sempre de cima para baixo e de dentro para fora em relação à ferida. Apenas desta forma evitará arrastar sujidade para a ferida, contaminando-a. De seguida seque a pele.

Procure um local bem iluminado e sente a vítima de uma forma confortável. Se a farpa estiver perto da superfície da pele, será mais fácil removê-la e até a própria vítima poderá fazê-lo, recorrendo ao auxílio de uma agulha ou pinça. Antes de começar, esterilize o objecto que escolheu para remoção do corpo estranho – segure a pinça ou a agulha sobre uma chama durante alguns segundos, ou em água a ferver durante 10 minutos.

Depois de extrair a farpa, lave a ferida com um anti-séptico ligeiro e cubra com um penso rápido. Se o local inchar ou se houver dor, procure aconselhamento junto de um médico.

Caso não consiga extrair a farpa, faça um penso ligeiro e dirija-se ao posto médico.

Lembre-se que este tipo de procedimento apenas é válido para pequenos corpos estranhos. Se do incidente resultou o ferimento e retenção no organismo de um objecto de dimensões maiores, recorra logo a um serviço de urgência e não tente resolver o problema em casa.

Se a vítima não levou a vacina de imunização contra o tétano nos últimos dez anos, informe-se junto de um médico se será aconselhável proceder ao seu reforço.



Cláudia Bandeira

Título: O perigo das farpas

Autor: Cláudia Bandeira (todos os textos)

Visitas: 680

797 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 11 )    recentes

  • Vicente SilvaVicente

    15-07-2014 às 21:01:58

    Que informação importante. O perigo das farpas é realmente algo a se pensar! Muito bom!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaola

    05-09-2013 às 16:28:17

    olá , meu vô cravou uma farpa na mão e agora está muito inchado e inflamada , e ele tem problema de açucar , me ajudem por favor .

    ¬ Responder
  • ester

    23-08-2013 às 18:51:59

    estou com uma farpa na mao bom nao sei se estou com farpa mesmo mais estou com medo meu primo tem uma farpa la dentro da mao da até pra ve e tenho medo que a farpa fure uma veia :S isso é possivel

    ¬ Responder
  • victoria nobre

    16-03-2013 às 22:32:40

    Oi Claúdia, meu nome e Victória tenho 10 anos ja entrou varias farpas em mim mais não tirei do jeito que você recomenda,tirava normalmente ia ao banheiro lavava minhas mãos colocava meu pé ou minha mão (ou outra parte do corpo) em uma almofada na sala e arrancava com a mão doia um pouco depois voltava ao banheiro e ai eu lavava a parte do meu corpo onde a farpa entrou com água e sabão e ai parava de doer da primeira vez que eu ainda me lembro foi quando eu estava almoçando na casa da minha vó a cadeira onde eu estava sentada era de madeira e acabei colocando minha mão em cima de uma farpa,começei a chorar pois não tinha ideia do que estava acontecendo com a minha mão fui a pia lavei minhas mãos e nada fui para o sofá minha ma~e foi olhar e viu a farpa eu consegui tirar do meu modo norma coo eu tirava a pior foi na minha propia casa estava na cama e coloquei meus pés no guarda roupa quando entrou e estava doendo demais demais mesmo mais até que enfim eu consegui tirar ela do meu pé e da ultima tirei normalmnte do jeito que eu contei no começo mais muito obg sua materia tava um maximo amei mesmo do nova 1.000 parabens a e tambem quero dizer a quem escreve neste site e tem problemas melhoras e fassam tudo direitinho como ela recomenda boa noite obg ! tchau.

    ¬ Responder
  • lindomara silva

    07-03-2013 às 22:50:35

    OLA,MEU NOME É MARA TENHO UMA FILHA DE 8 ANOS DE FUROU O PE COM UM ESTREPO DE PAU EU CONSEGUI TIRA NO MESMO DIA,SO QUE AGORA O LOCAL ESTA VERMELHO EU ACHO QUE ESTA INFLAMADO O QUE QUE EU FAÇO AGORA ELA TEM QUE TOMA VACINA ANTITETANO,,ME AJUDE,,

    ¬ Responder
  • Dionisio Antunes

    10-02-2013 às 17:32:22

    Boa Noite, Cláudia! Estava ajudando meu tio no conserto do telhado da casa de minha mãe e fui ferido por uma farpa do caibro onde me apoiei. Desci imediatamente e peguei uma agulha grossa que minha mãe utilizava confeccionando uma colcha de retalhos. Sem esterilizar enfiei a na carne conseguindo retirar metade da farpa. Uns três dias depois senti muita dor e novamente recorri a uma agulha fina, sem sucesso. Fui ao médico e tendo a vacina antitetânica em dia recebi receituário de cetoprofeno, 5 dias, de 8 em 8 horas e ciprofloxacino, 7 dias a cada 12 horas. A dor é muito intensa. Estou fazendo banho em água morna para aparecer o pus. Não está fácil! Quando finalizar o tratamento e houver a cura mando outra mensagem!

    ¬ Responder
  • Felipe

    04-12-2012 às 03:26:21

    Ola, eu tenho 12 anos e eu estava brincando com meu primo no parque de um sitio. Ele me pediu que eu descesse do escorregador com ele. Eu desci e senti aldo nas costas. Fui ver e era uma farpa grande. Uma pequena parte ficou por fora e um pedaço muito pqueno por dentro. Nao tirei pq tava com medo de doer muito. E ainda estou com ela nas costas. Faz 1 dias e nao sinto nada, nem dor, nem febre, nem calor. Eu tomei a vacina contra tetano, nao sei se faz 10 anos mais tomei. Sabe to com medo de tirar e com medo de algo de ruim a conteça a minha costa. Ajude eu. Minha mae tentou tirar mas ela ta muito dentro. apenas uma pontinha pra fora, ela puxou e quase rasguei o ravesseiro de tabnta dor. Tipo, se eu for algo medico ele vai dar uma pequena cirurgia? thanks

    ¬ Responder
  • Arnoldo Magalhaes

    16-11-2012 às 05:51:21

    Boa noite! Tem mais ou menos umas 3 semanas que feri com espinhos meu calcanhar esquerdo com espinhos de sansao do campo ( cerca viva ) e no dia nao me preocupei, sendo que depois de uma semana, senti dores e meu calcanhar dormente, levantando a palma do pe, sinto que no local do espinho internamente se abre como se nao tivesse cicatrizado por dentro, porem quando aperto o calcanhar no local nao sinto nada e ando normalmente tbm nao sentindo nada, so que as vezes em determinados momentos sinto dores no calcanhar, o que posso fazer? O que usar para isso? ( remedio ). Tirei um raio X e nao tem nada, nenhum corpo estranho. Muito obrigado!

    ¬ Responder
  • jessicajessica

    09-12-2011 às 23:45:43

    agradeço pela ajuda minha filha de 2 anos esta com um espinho no dedo do pe estou um pouco preucupada devido as infecçoes mais por ser minha filha morro de pena de tirar levei ela no posto de saude mais amedica disse que vai sair porem ja tem quase oito dias e ainda nao saiu eu devo tentar tirar ou deixo?

    ¬ Responder
  • Fernando BarbosaFernando Barbosa

    11-10-2011 às 01:15:36

    Olá, escrevi o comentário acima, e hoje depois de 1 mês e meio estou em recuperação do meu pé. Logo após meu pé desinchar, meu próprio organismo começou a expulsar o corpo estranho, formou uma pequena bolha de puz no local, estourei mas não consegui retirá-lo, fui rapidamente ao médico e lá ele conseguiu retirá-lo com uma pequena cirurgia para retirada do artefato, um pedacinho de madeira do tamanho de 1 grão de arroz, uma coisa totalmente impressionante pra mim, já que a maior parte da minha vida que vivi foi nos últimos 8 anos, tempo que esse pedaço de madeira permaneceu no pé. O caso foi impressionante já que foi caso de discussão do médico e um enfermeiro daqui da cidade, que depois me disse que o risco de eu ter pegado tétano foi grande, eu poderia a qualquer momento sentir sintomas da doença, uma febre, e poderia levar a um caso bem fatal, já que não teria diagnóstico do motivo do que estava sentindo, graças a Deus consegui descobrir e retirar a tempo, tive muita sorte, obrigado pelo espaço de diálago.

    ¬ Responder
  • Fernando BarbosaFernando Barbosa

    01-09-2011 às 22:29:14

    Boa noite Cláudia, vi sua matéria e gostei muito, e gostaria se vc pudesse resolver uma dúvida minha, a 8 anos eu pisei num espinho, como estava correndo eu apenas tirei o pedaço grande joguei fora e fui embora não olhei, logo depois meu pé inchou, fui ao posto de saúde a agente de saúde apenas olhou superficialmente se tinha algo, passou um remédio e tempos depois cicatrizou, eu sempre senti algo diferente no local, e agora o local está inchado sem nem poder colocar no chão, devido uma caminhada na rua, uma amiga enfermeira me disse que as células podem ter envolvido o corpo estranho e permaneceu no local sem tentar expulsar, e esse cisto inflamou na caminhada, pelo menos suponho que tenha algo, vc pode dizer alguma coisa sobre meu caso? obrigado.

    ¬ Responder

Comentários - O perigo das farpas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios