Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Deixe de fumar

Deixe de fumar

Categoria: Saúde
Deixe de fumar

Quando se ouvem ou lêem estatísticas do género: «Na Europa, o fumo do tabaco é responsável por um milhão e 200 mil mortes anuais, prevendo-se que, em 2020, este número ascenda a dois milhões», podia reconhecer-se a insanidade que é fumar e fazer os outros fumarem passivamente, mas o que geralmente ocorre é que não se assume esta como uma realidade própria. Bem vistas as coisas, só acontece aos outros, certo? Porém, se toda a gente pensar assim, quem são os outros dos outros?...

Para muitos, abandonar o tabaco é uma tarefa árdua, que requer, não apenas vontade, mas força mental, motivação e esforço físico. Não existe qualquer fórmula infalível para deixar de fumar, nem nenhuma maneira fácil. É melhor encarar a realidade: para parar de fumar é preciso lutar. Todavia, esta é uma batalha que se pode vencer.

O tabagismo é, na concepção da Organização Mundial de Saúde, uma doença. E tendo em conta que ele induz mais de 20 grupos de enfermidades (como o cancro do pulmão, da laringe, do aparelho digestivo e da bexiga, DPOC – Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica - e doenças cardiovasculares, como a cardiopatia isquémica, e ainda asma, etc.) que diminuem a duração e a qualidade de vida, é capaz de não ser descabido. Estudos asseguram que o fumo que emana de um cigarro depositado num cinzeiro ou sustido entre os dedos inclui mais substâncias tóxicas do que as inaladas pelo próprio fumador. Nas crianças pequenas, o tabagismo passivo aumenta o risco de morte súbita do lactente e de infecções respiratórias agudas; nos adultos, amplia a probabilidade de desenvolver doenças coronárias, como a angina de peito ou o enfarte do miocárdio. Considera-se que o fumo do tabaco é, actualmente, o principal contaminante de interiores, pior para a saúde do que qualquer outra fonte de radiação no lar.

O hábito tabágico é uma doença aditiva crónica, cuja dependência tem dois aspectos: o farmacológico (relacionado com a nicotina) e o de conduta (psicológico). Deixar de fumar requer um esforço diferente de pessoa para pessoa, segundo o grau de dependência e as razões que a motivam a tomar tal decisão. Primeiro, há que consciencializar-se de que é possível; milhões de seres humanos já o conseguiram! Há, por outro lado, meios eficazes que coadjuvam a força de vontade e o desejo de abandonar o vício, no cumprimento dessa salutar determinação, como os tratamentos substitutivos, os adesivos, as pastilhas (elásticas ou estilo rebuçado), sprays nasais e fármacos anti-depressivos, hipnose, medicina tradicional chinesa, mudança de rotina. Os profissionais de saúde são os aconselhadores por excelência da melhor opção.

Por outro lado, razões para apagar o último cigarro é o que não falta: poupar o coração, afastar o cancro do pulmão e a bronquite crónica, poupar dinheiro, fazer com que os filhos, amigos e colegas deixem de ser fumadores passivos, recuperar sensações perdidas, deixar de cheirar a tabaco, ter dentes brilhantes novamente, engravidar mais facilmente (reduzindo o risco de morte súbita do feto e de malformações congénitas, entre outros inexoráveis benefícios), combater a celulite, conservar a firmeza da pele, aumentar a auto-estima e, acima de tudo, viver mais e melhor. Afinal, ninguém tem o direito de se andar a matar em suaves prestações, nem que seja de cigarro em cigarro…!



Maria Bijóias

Título: Deixe de fumar

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

630 

Comentários - Deixe de fumar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios