Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Cancro do colo do útero

Cancro do colo do útero

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 28
Comentários: 5
Cancro do colo do útero

O colo do útero integra o aparelho reprodutor das mulheres. Trata-se da fração mais estreita do útero, que é um órgão oco, com forma semelhante a uma pera, localizado no abdómen inferior. O cancro do colo do útero é dos mais prevalecentes entre a população feminina. Não obstante, o rastreio tem permitido reduzir um pouco as cifras, pois possibilita detetar precocemente alterações pré-cancerígenas e outras suscetíveis de culminar em cancro, para além de revelar eventuais carcinomas em fase inicial, em que a eficácia do(s) tratamento(s) é bastante superior.

Existem neste tipo de cancro, como aliás noutros, fatores de risco que, a verificarem-se, e sobretudo em concomitância, podem potenciar o desenvolvimento da patologia cancerosa. A infeção pelos vírus do papiloma humano (HPV), assaz frequente, aparece como uma das principais causas. Este conjunto de vírus é passível de infetar o colo do útero e induzir adulterações nas respetivas células, podendo ocasionar verrugas, cancro e outras complicações genitais. A transmissão faz-se de pessoa a pessoa por via sexual, e a maioria dos adultos já terá tido contacto com HPV. Há maneiras de evitar a propagação do HPV a outros indivíduos, que o médico saberá indicar.

O exame de Papanicolau permite descobrir mutações nas células do colo do útero originadas por HPV, que, a serem tratadas, por exemplo congelando ou queimando o tecido infetado, ou recorrendo a fármacos, não evoluem, em grande parte dos casos, para neoplasia do colo do útero. A vacinação, administrada ao género feminino entre os 9 e os 26 anos, já adotada pelo plano Nacional de Saúde português, protege contra dois subtipos de infeção por HPV, capazes de gerar tumor do colo do útero.

Possuir um sistema imunitário enfraquecido, por qualquer razão (VIH, medicação que iniba o referido sistema, etc.), incrementa, igualmente, o perigo de aparecimento deste cancro. Os médicos aconselham a estas mulheres, tal como às que têm idade igual ou superior a 40 anos (uma vez que o carcinoma do colo do útero acomete mais a partir desta idade), um rastreio regular.

Por outro lado, o risco de infeção por HPV, logo de cancro do colo do útero, é acrescido em mulheres que tenham, ou já tenham tido, muitos parceiros sexuais, ou mantenham relações sexuais com homens que tenham tido muitas parceiras sexuais.

O tabagismo aumenta também o risco, assim como tomar a pílula por períodos de cinco ou mais anos e ter muitos filhos. Em qualquer destes casos, a junção da infeção por HPV aumenta o risco de cancro do colo do útero.

A manifestação de sintomas pode ser sinal da progressão do carcinoma do colo do útero, uma vez que as alterações pré-cancerígenas e os cancros precoces não provocam, regra gera, dores ou outros indícios. Deste modo, não há que esperar padecer de qualquer anomalia para fazer o rastreio. Quando a enfermidade se agrava, porém, podem surgir um ou mais dos seguintes prenúncios: hemorragia vaginal anormal, ou entre períodos menstruais regulares, ou depois da relação sexual, ou após a menopausa; aumento do tempo e intensidade dos períodos menstruais; dor pélvica; acréscimo do corrimento vaginal; dor durante o ato sexual. De salientar que estes sintomas não são exclusivos de neoplasia do colo do útero; eles podem denunciar infeções ou outros problemas de saúde, pelo que só o médico está apto a fazer o despiste.

O rastreio é essencial para encontrar modificações cervicais antes da manifestação dos sintomas. Ele possibilita ao especialista a assinalação de células aberrantes que, tratadas, têm fortes probabilidades de não evoluir para cancro cervical.

O exame de Papanicolau, geralmente não doloroso, é utilizado, precisamente, para analisar as células cervicais. Os médicos recomendam que se faça regularmente. Usualmente, as mulheres devem começar a efetuar este exame três anos após o início da vida sexual ou aos 21 anos, consoante o que acontecer primeiro. Três anos é, igualmente, o intervalo de tempo aconselhado entre cada um destes exames para a maioria das mulheres, estando dispensadas as que foram submetidas a histerectomia (cirurgia para remoção do útero e do colo do útero). Não obstante, se a intervenção cirúrgica tiver tido como propósito o tratamento de células pré-cancerígenas, o rastreio deve continuar a ser levado a cabo.

A biopsia é outro meio de deteção do cancro do colo do útero. Se ela patentear carcinoma, o médico realizará um exame pélvico completo, para aferir acerca da extensão da doença. Pode ocorrer uma recidiva do cancro do colo no útero neste órgão ou noutro qualquer ao fim de um certo tempo. Os raios-X, a TAC (Tomografia Axial Computorizada), a ecografia e a RM (Ressonância Magnética) possibilitam mostrar se e para onde se disseminou o tumor. Atenção: há pessoas que são alérgicas aos materiais de contraste empregues em alguns destes exames, e é preciso informar o médico ou enfermeiro a respeito de hipotéticas alergias!

As mulheres devem estar o mais informadas possível acerca da sua doença e das opções de tratamento. O choque e a inevitável tensão associados à audição de um tal diagnóstico dificultam a atenção e a memorização da informação recebida. Assim sendo, pré-elaborar uma lista de perguntas e munir-se de um bloco de notas para tirar apontamentos pode revelar-se de extrema utilidade. Podendo levar alguém da família ou do círculo dos amigos mais chegados, também é bom. Não é preciso saber tudo de uma vez! O processo implica tempo e a familiarização com a nova realidade.

Cirurgia, radioterapia, quimioterapia, radioterapia com quimioterapia ou uma combinação dos três métodos, são as formas de tratamento, eventualmente coadjuvadas com medicação para atenuar os efeitos secundários. De ressalvar que médico e doente podem trabalhar em consonância na conceção de um plano terapêutico ajustado às necessidades e aos valores pessoais da paciente.


Maria Bijóias

Título: Cancro do colo do útero

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 28

789 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    18-07-2014 às 20:47:23

    Os cuidados devem ser feitos, não sabemos o que poderá nos acontecer. Bom é sempre cuidar da saúde, principalmente, a mulher. O colo do útero é um dos mais difíceis de tratar e pode até se tornar um câncer...

    ¬ Responder
  • telma

    22-04-2012 às 19:30:42

    esta com 13 dias que fiz uma hesterectomia continuo sentindo muita coceira na vagina com uma secreção amarelada eu queria saber se é normal

    ¬ Responder
  • willywilly

    14-09-2011 às 18:47:49

    eu quero saber o que forma o útero?

    ¬ Responder
  • monicamonica

    28-11-2009 às 17:21:32

    De uns meses para cá , tenho sentido um desconforto no colo do útero , não só durante as relaçõe sexuais, como tb nos períodos pré mestruais, tendo inclusive, queda de pressão, o que pode ser?

    ¬ Responder
  • marciamarcia

    28-10-2009 às 18:35:22

    sinto muita dor pelvica, e as vezes muita coceira na vagina acompanhada de corrimento, sem odor, mais a coceira e muito forte. o que pode estar acontecendo?

    ¬ Responder

Comentários - Cancro do colo do útero

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios