Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Álcool Uma Bebida Perigosa

Álcool Uma Bebida Perigosa

Categoria: Saúde
Álcool Uma Bebida Perigosa

Para o comum dos adultos, beber moderadamente traduz um consumo diário de, no máximo, duas bebidas para os homens e uma para as mulheres e os idosos. Esta ingestão regrada não ocasiona problemas relacionados com o álcool (desde que não interdito por questões de saúde ou outras). Uma bebida equivale a uma caneca de cerveja ou um copo de vinho.

«Se és moderado, bebe», poderia ser o slogan a adoptar para sensibilizar quem tende a ver no álcool um refúgio e uma maneira de “bater”. Segundo a Organização Mundial de Saúde, de acordo com o peso e a faixa etária, seria razoável para um jovem saudável e sem indícios de alcoolismo, entre os 14 e os 19 anos, beber até duas cervejas (3 dl cada) por dia, ou dois pequenos copos de vinho (1,5 dl cada), ou um cálice de Porto (0,5 dl) para um “brinde”. Nestas idades, são totalmente desaconselhadas bebidas destiladas, como aguardentes ou whiskies. As raparigas, na sua condição de mais sensíveis, devem ingerir quantidades inferiores.

De salientar que o “baptismo” do álcool continua a constituir, em muitos casos, a iniciação em grupo. Todavia, não há que esquecer que o álcool é, ou pode ser, uma droga de acesso legal, barata e publicitada, mas dura. Este “passaporte” para a sociedade dos adultos é susceptível de sair demasiado caro a quem não revele capacidade de se controlar. Efectivamente, os problemas associados ao álcool ultrapassam largamente os de outras substâncias, motivando violência doméstica e famílias destruídas, doenças gastrenterológicas (cirroses, úlceras, alguns cancros) e mortes relacionadas com elas, patologias neurológicas (polinevrites, demências) e, sobretudo, acidentes de viação, com as mais variadas consequências para estes condutores e os outros. Mais de metade dos acidentes acontecem sob o efeito do álcool. Este transforma-se numa droga quando se consome para atordoar, para facilitar desinibições e comportamentos que, de outro modo, não viriam à tona, e quando a rotina quotidiana só se leva a cabo com recurso a ele.

O álcool faz parte de uma tradição cultural, herdada do culto à vida prestado pelos gregos através dos rituais dionisíacos. O bebedor social bebe moderadamente e não perde o controlo nem muda a sua atitude. O bebedor excessivo perde o controlo dos seus actos e o alcoólico já se encontra dependente física e psicologicamente, não se recordando, amiúde, do que praticou enquanto estava sob a influência alcoólica.

Os filhos de pais com dificuldades referentes ao álcool devem estar atentos, porque a probabilidade de também o virem a ser é maior. Para além do modelo em casa, possuem predisposição genética. Estes indivíduos têm de ter um cuidado acrescido e, na eventualidade de começarem a perder o controlo social e do próprio acto de beber, abster-se totalmente. Da mesma forma, recomenda-se àqueles que alterem facilmente o seu comportamento social após o consumo de uma pequena quantidade de álcool que não tornem a beber; são como que “alérgicos” à bebida alcoólica. É muito frequente ocorrer na sequência de acidentes com traumatismo craniano.

E desenganem-se os que se socorrem do álcool como uma espécie de Viagra. Já Shakespeare o constatou: «It (wine) increases the desire, but decreases the performance», que é como quem diz que, em excesso, leva a uma disfunção eréctil. São estes alcoólicos que se vão tornar ciumentos, acusando as esposas ou namoradas de terem outros, quando na realidade são eles que não “conseguem”. O que se há-de fazer? É a (des)ilusão do álcool…


Maria Bijóias

Título: Álcool Uma Bebida Perigosa

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

637 

Comentários - Álcool Uma Bebida Perigosa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios