Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Foi em 1998 que se revolucionou a questão de vacinar ou não as crianças em idade pequena. Decorria este ano quendo um médico Inglês (Andrew Wakefield) afirmou numa das mais importantes revistas de medicina do mundo – Lancet – que as vacinas causavam autismo. Esta afirmação causou um impacto mundial e desde então, são cada vez mais os pais que optam por não vacinar os seus filhos. Desde essa altura, forma estudados vários casos e mais de 20 estudos concretos e exaustivos não comprovam esta associação de vacinação com o autismo.
Forma analisadas crianças com autismo e sem o distúrbio e não existe qualquer histórico nem relação entre os 2 casos.

Mas afinal, nesta história de vacinar ou não vacinar, o que é mais correto e sensato? Bem, cada pai decide, mas o mais importante é receber o máximo de informação possível na hora de optar por uma decisão que pode colocar em causa o bem-estar e mesmo a vida de um filho.
Uma das principais razões de vacinar o seu filho são algumas doenças contagiosas que podem e devem ser evitadas. Hepatite, tosse convulsa e a papeira são apenas algumas delas. Consideramos nos dias de hoje que algumas doenças não são graves, mas não o são exatamente por causa das vacinas. Doenças como a difteria, a tuberculose e o sarampo podem matar. Tenha isto em conta, pois são doenças contagiosas.

A vacinação é também considerada uma forma de civismo. O seu filho pode ser contagiado, mas também pode contagiar. Numa sociedade com tão rápidos acessos, são também mais acessíveis os contágios de doenças graves.

Naturalmente que a ideia de vacinar um recém-nascido não é agradável. Pensamos imediatamente nos químicos injetados em seres tão pequeninos e delicados, mas há que ter em atenção que ao nascerem, os bebés estão imunes a uma quantidade de doenças, devido aos anti-corpos que recebem na placenta da mãe. No entanto, ficam totalmente expostos a todo o tipo de doenças logo assim que nascem. Protegê-los é o nosso papel enquanto pais.

No entanto, e se mesmo assim quiser não vacinar os seus filhos, saiba que para os matricular na escola terá de apresentar o boletim de vacinas e a escola, seja pública ou privada pode recusar-se à matricula ou inscrição pela falta de vacinação da criança. Organismo como a Segurança Social podem intervir em alguns casos.

Vacinar é proteger, e apesar de nos magoar imaginar fármacos no organismo das nossas crianças, há que ter em conta que são aspetos necessários ao desenvolvimento saudável das nossas crianças.


Carla Horta

Título: A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

761 

Comentários - A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios