Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Foi em 1998 que se revolucionou a questão de vacinar ou não as crianças em idade pequena. Decorria este ano quendo um médico Inglês (Andrew Wakefield) afirmou numa das mais importantes revistas de medicina do mundo – Lancet – que as vacinas causavam autismo. Esta afirmação causou um impacto mundial e desde então, são cada vez mais os pais que optam por não vacinar os seus filhos. Desde essa altura, forma estudados vários casos e mais de 20 estudos concretos e exaustivos não comprovam esta associação de vacinação com o autismo.
Forma analisadas crianças com autismo e sem o distúrbio e não existe qualquer histórico nem relação entre os 2 casos.

Mas afinal, nesta história de vacinar ou não vacinar, o que é mais correto e sensato? Bem, cada pai decide, mas o mais importante é receber o máximo de informação possível na hora de optar por uma decisão que pode colocar em causa o bem-estar e mesmo a vida de um filho.
Uma das principais razões de vacinar o seu filho são algumas doenças contagiosas que podem e devem ser evitadas. Hepatite, tosse convulsa e a papeira são apenas algumas delas. Consideramos nos dias de hoje que algumas doenças não são graves, mas não o são exatamente por causa das vacinas. Doenças como a difteria, a tuberculose e o sarampo podem matar. Tenha isto em conta, pois são doenças contagiosas.

A vacinação é também considerada uma forma de civismo. O seu filho pode ser contagiado, mas também pode contagiar. Numa sociedade com tão rápidos acessos, são também mais acessíveis os contágios de doenças graves.

Naturalmente que a ideia de vacinar um recém-nascido não é agradável. Pensamos imediatamente nos químicos injetados em seres tão pequeninos e delicados, mas há que ter em atenção que ao nascerem, os bebés estão imunes a uma quantidade de doenças, devido aos anti-corpos que recebem na placenta da mãe. No entanto, ficam totalmente expostos a todo o tipo de doenças logo assim que nascem. Protegê-los é o nosso papel enquanto pais.

No entanto, e se mesmo assim quiser não vacinar os seus filhos, saiba que para os matricular na escola terá de apresentar o boletim de vacinas e a escola, seja pública ou privada pode recusar-se à matricula ou inscrição pela falta de vacinação da criança. Organismo como a Segurança Social podem intervir em alguns casos.

Vacinar é proteger, e apesar de nos magoar imaginar fármacos no organismo das nossas crianças, há que ter em conta que são aspetos necessários ao desenvolvimento saudável das nossas crianças.


Carla Horta

Título: A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

761 

Comentários - A Opção De Não Vacinar O Seu Filho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios