Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Relacionamentos > Como lidar com a morte do nosso pai

Como lidar com a morte do nosso pai

Categoria: Relacionamentos
Comentários: 1
Como lidar com a morte do nosso pai

Lidar com a morte do pai é algo difícil, doloroso e triste para qualquer pessoa. Quando você é jovem, a perda de um pai é extremamente difícil pelo fato de que você está perdendo um mentor, a pessoa que supostamente deveria lhe guiar por diversas partes de seu desenvolvimento. Pode parecer como se a perda de seu pai pareça ter levado embora a pessoa que você é em seu interior, removido uma peça integral à sua composição e ao seu caráter. Aqui seguem algumas formas de começar a trabalhar com a dor e a tristeza.

Aceite a dor. A perda de seu pai pode facilmente lhe privar de emoções e impactar em quem você sente ser. Você não se sentirá mais a mesma pessoa depois dessa perda, e é importante aceitar que esse é um estado normal.

Converse com outros. Fale com familiares e amigos tão abertamente quanto possível. Eles sabem que você está passando por um período incrivelmente difícil, e é importante compartilhar as suas emoções, os altos e baixos, bem como os seus medos, com outras pessoas. Lembre-se de que o seu círculo familiar interno está sentindo emoções similares, e vocês talvez possam se ajudar mutuamente durante esse momento devastador. No entanto, se você não se sente confortável ao conversar com membros de sua família ou sente que sua dor os fechou para você de forma intensa, sinta-se livre para conversar com amigos e pessoas que possam ajudar, como um conselheiro ou psicólogo. Se você prefere uma situação mais privada, tente blogar ou conversar online. É melhor não se reprimir por completo; embora você ainda possa manter emoções profundas e reflexões pessoais para si mesmo, conversar até certo ponto é vital para lhe manter conectado com a humanidade e fazê-lo sentir o poder de amizades apoiadoras.

Converse com a sua mãe. Muitos jovens sentem uma imensa necessidade de proteger suas mães da dor. Sim, ela estará sofrendo intensamente, mas precisa de você, e você dela. Lembre-se de que a sua relutância em conversar com ela pode ser interpretada como uma necessidade de parar de lhe incomodar por falar demais a respeito da dor. Como tal, isso pode se tornar um ciclo vicioso em que ambos estão tentando proteger um ao outro, e nenhum dos dois se abre e conversa abertamente a respeito do que aconteceu, compartilhando a dor. Reconheça o fato, se ela não o pode fazer, e diga-lhe que você precisa conversar a respeito de seus sentimentos ou de sua perda. Ainda, diga a sua mãe como você deseja que ela saiba que você ainda a ama e que ainda ama seu pai e deseja manter intactas essas belas memórias, com o esforço conjunto de sua família. Dessa forma, você poderá tentar evitar o isolamento mútuo durante o luto.

Busque auxílio profissional. É realmente importante buscar aconselhamento se você está tendo depressão e uma inaptidão de lidar com essa perda. As coisas não irão melhorar se você se permitir ser posto à deriva por emoções fortemente negativas.

Permita-se chorar. Será difícil, e chorar é uma saída normal. Se você sente que precisa manter-se forte na frente de outros, chore em um espaço pessoal, quando a necessidade bater. No entanto, perceba ainda que não há vergonha em chorar na frente em tempos como esse. Todos podem imaginar quão terrível deve ser perder um pai, e ainda irão lhe apoiar.

Converse sobre quem o seu pai foi. Lembre-se das boas coisas a respeito dele e veja fotografias. Crie um álbum de memórias e escreva todas as lindas coisas que vocês experimentaram juntos. Outras ideias incluem fazer uma colagem, escrever cartas ao seu pai e guardá-las ou desfazer-se delas de uma forma simbólica e criar um DVD com memórias do tempo que passaram juntos.

Integre a perda em sua vida. Ao longo do tempo, o luto estará no controle de como se expressa. Poucas pessoas verdadeiramente "superam" a perda de um ente querido, mas a maioria delas encontra um lugar especial em seus corações para guardar as memórias e a essência da pessoa perdida, durante toda a vida. Aceite o fato de que você sofrerá com a dor no coração devida à perda de seu pai vez após vez ao longo de sua vida, em especial nas ocasiões em que esperava que ele estivesse ao seu lado, como em graduações, eventos desportivos, um casamento, etc. Você também sentirá falta dos conselhos nas finanças, planejamentos, socializações, etc. que um pai lhe poderia ter dado. Aceite essas realidades e faça o seu próprio planejamento, encontrando mentores que lhe apoiem, cuidem de você e sejam capazes de lhe ajudar nessas formas.

Saiba que você sempre será a criança de seu pai. Ele pode ter falecido, mas você continuará a ter um relacionamento com ele. Você será sempre sua criança e ele sempre viverá em seu coração. Outros conhecerão a pessoa que ele foi através de você; por isso, guarde com carinho sua memória e esteja pronto para compartilhá-las com outros à medida que o tempo passa.


Marta Teixeira

Título: Como lidar com a morte do nosso pai

Autor: Marta Teixeira (todos os textos)

Visitas: 0

206 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãotete

    11-03-2015 às 21:32:23

    ajudou me muito gostei do texto muito obrigado

    ¬ Responder

Comentários - Como lidar com a morte do nosso pai

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios