Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > VIDA QUOTIDIANA

VIDA QUOTIDIANA

Categoria: Outros
Comentários: 2
VIDA QUOTIDIANA

Gostaria de apresentar aos leitores uma sequencia de artigos que serão publicados sobre a vida quotidiana dos brasileiros.

Uma seleção de artigos que tem por finalidade apresentar e partilhar com diversos leitores a vida quotidiana no Brasil.

A principio nós iremos atentar a esta primeira publicação que é na verdade um resumo de todos os demais artigos a serem publicados.

Falar de quotidiano precisamos primeiro saber o que seria isso.
Quotidiano é aquilo que se faz todos os dias, ou seja, aquilo que é rotina de todos os dias, por exemplo, trabalhar seria quotidiano, frequentar uma escola e aí por diante.

Então nestes artigos vamos partilhar o quotidiano da vida brasileira, e por mais que seja difícil descrever o quotidiano de todo o Brasil iremos partilhar diversas situações quotidianas.

Realidades distintas por todo território brasileiro de vidas quotidiana podemos encontrar e seja quais forem elas, podemos definir que em sua maioria fazem com que nós brasileiros cresçamos a cada dia diante de situações difíceis.

A vida no Brasil para muitos brasileiros é a realidade de sofrimento e luta diária em busca de um Brasil melhor, um país de realidades distintas de governo que ainda não atende as realidades do povo brasileiro.

A vida de cada brasileiro tem suas próprias realidades, e enfrenta-las é desafio diário para muitos. Desigualdade social é a realidade do Brasil que vivemos atualmente o crescimento do Brasil tem sido percebido mais ainda é muito pouco diante do que ainda precisa mudar para que cada brasileiro possa ter uma vida digna e justa.
O quotidiano para o brasileiro é uma realidade muitas vezes de sofrimento e luta, tentando diariamente buscar uma vida melhor.

Os artigos que proponho publicar não são somente para partilhar as dificuldades brasileiras mais com a finalidade de partilhar que apesar do quotidiano brasileiro ser difícil existi solução.

Sempre teremos uma vida quotidiana, mais podemos mudar a realidade ao qual enfrentamos hoje e passar a desfrutar uma realidade do quotidiano ao qual possamos nos orgulhar.

Realidades como baixos salários, transporte coletivo, falta de saneamento básico são alguns dos próximos artigos que serão publicados e detalharei cada um a realidade do Brasil. Conhecer nosso quotidiano é conhecer nosso dia-a-dia, conhecer aquilo que estamos acostumados a viver todos os dias.
Partilhar esta realidade com todos os leitores é o mesmo que partilhar a rotina de vida que o Brasil enfrenta.

Podemos viver realidades as quais todos brasileiros conhecem, mais superar as realidade do quotidiano ao qual enfrentamos é um desafio coletinho no qual cada brasileiro tem seu papel e sua responsabilidade, mesmo que ao olhar de muitos seja impossível ao olhos de uma nação tão imensa quanto o nosso Brasil o impossível pode ser alcançado.


Rodrigo Junio Ferreira

Título: VIDA QUOTIDIANA

Autor: Rodrigo Junio Ferreira (todos os textos)

Visitas: 0

778 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    18-08-2014 às 06:09:43

    Os brasileiros lutam muito pelo que querem, mas o sistema não ajuda muito para ter um crescimento contínuo. Geralmente, quem mais sofre mesmo são os pobres, os menos favorecidos. Há sérios problemas no Brasil em questões que já deveriam ter sido vencidos, mas tudo é lento nesse país.

    ¬ Responder
  • Frank Oddermayer

    19-06-2013 às 07:28:55

    O pior inimigo do povo brasileiro é a demagogia sem sentido, como é o caso da disseminação nas escolas e faculdades do preconceito ideológico que impede a implantação do Ensino Universitário Público Pago. A maioria dos países desenvolvidos adotou este modelo, muito melhor.

    A gratuidade indiscriminada favorece os que podem pagar, que utilizam boas escolas de base para que seus filhos estudem de graça nas universidades públicas, onde os professores ganham várias vezes mais que os do ensino fundamental e médio.

    Os pobres estudam em escolas de base públicas, em boa parte ruins, e trabalham para pagar o ensino superior em faculdade particular de segunda linha, limitando-os no mercado competitivo.

    Quem pode, que pague e contribua para que outro estude; quem não pode, que receba bolsa reembolsável e pague quando puder. Nos países que adotaram este modelo, as desigualdades sociais diminuiram muito, pelo simples fato de que os recursos para investimentos para a multiplicação das vagas são muito maiores.

    Nos EUA, todo ano formam-se 18 milhões de alunos de curso superior, ante pouco mais de 1,5 milhão de alunos no Brasil. Isso porque temos de contar com as faculdades privadas que geram mais vagas que o Estado. Só que elas se proliferaram às custas de quem sofre muito para pagar. Até a China já adotou o modelo anglo-americano, em 1998.

    Porém, enquanto no Brasil tivermos ensino universitário público com a gratuidade indiscriminada, corporativismo; com baixos salários no ensino de base, sem valorizar o mérito de alunos e professores, seremos eternamente um País do Futuro.

    RESUMO
    1) A gratuidade não tornou mais eqüitativa a educação superior, que se manteve como privilégio das camadas médias e altas da população;
    2) o aporte adicional de recursos para a Universidade com a cobrança de mensalidades permite melhorar a qualidade dos serviços acadêmicos que, de outra forma, custariam pouco ou nada, mas também teriam reduzido valor para seus adquirentes;

    3) o financiamento da instituição por parte do indivíduo criará uma situação de competição entre as Universidades, que repercutirá favoravelmente sobre a qualidade;

    4) o aporte adicional de recursos oriundos de quem pode pagar gera um aporte adicional proporcional de vagas gratuitas para quem não pode arcar com esses encargos;

    5) para os defensores do argumento do mérito, o contra-argumento é que só cabe quando o diploma estiver de posse dos formandos. O que os candidatos precisam é de igualdade de oportunidades;

    6) não é possível financiar os estudos dos pobres com dinheiro dos ricos através dos subsídios de escolas particulares.

    7) Se o ensino superior gratuito absorve quase a metade de todos os recursos públicos da nação que são direcionados para a matéria educacional, favorecendo apenas quem poderia contribuir financeiramente, como esperar bom-senso dos homens públicos da nação que possuem o poder de resolver as gravíssimas questões sociais que nos assola?

    8) Se não há um maior alargamento na quantidade de professores universitários para universalizar e melhorar a qualidade dos ensinos básico e médio, como resolver o grave problema da educação no Brasil e, por tabela, as diferenças regionais?

    ¬ Responder

Comentários - VIDA QUOTIDIANA

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios