Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O tempo não espera por nós

O tempo não espera por nós

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 4
O tempo não espera por nós

Agora olhamos para trás e reparamos com tamanha intensidade que ainda ontem nascemos, vimos que à meia hora entramos para a escola e que à dez minutos acabamos de fazer um exame a nível nacional, estando agora acabados de entrar na faculdade.

Amanhã já é outro dia, muito curto sim, realmente é, todos sabemos. Estaremos formados, ou não, e seremos justos, honestos, felizes e saudaveis, ou talvez não seremos. O que é certo é que o tempo vai passando e não para por muito que queiramos!

À cinco minutos estavamos a sonhar e agora somos obrigados a seguir uma rotina sem fim, porque já crescemos e somos considerados adultos, com o poder de decisão que raramente nos leva a lado algum.

Daqui a meia hora estaremos a caminhar para a morte, porque já somos idosos e os nossos familiares mais próximos como não querem gastar dinheiro em Lares da Treceira Idade, deixaram-nos sozinhos a morrer na solidão e muitas vezes mal tratados por aqueles a quem um dia lhes de-mos tudo, para nunca lhes faltar nada para serem felizes!

A realidade mais dura de aceitar vai estar ali, mesmo em frente aos nossos olhos. Mas agora estamos aqui, eu sou agora uma adulta e as mudanças inconstantes não me deixam acompanhar o tempo que corre a sete pés, que foge sem nunca olhar para trás.

Um dia estaremos mortos e para onde vamos é um mistério, como sempre foi e sempre será, uma vez que ninguém volta para nos dizer como foi.

E se nos entregarmos a tudo isto com todo o sentimento e apenas fizessemos o bem para variar? É umas das perguntas que não sai da cabeça de muita gente. Então convem-nos rever as nossas ações antes de as realizar para não acontecerem imprevistos.

"Dentro de todos nós existe um demónio interior, só temos de o encontrar", e depois só temos de o explusar da nossa triste existência que, para nós nunca faz sentido!

A Filosofia tenta explicar coisas que são inesplicaveis, tudo tem várias respostas possiveis e tudo tem uma pergunta por replicar...
Só dá para seguir em frente, nunca dará para voltar a trás a não ser em pensamento...

O tempo não perdoa e por muito que queiramos não recua!


-sukih L.a.

Título: O tempo não espera por nós

Autor: -sukih L.a. (todos os textos)

Visitas: 0

641 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    31-07-2014 às 02:17:06

    Muito boa essa reflexão sobre o tempo de vida que temos e que muitas vezes não aproveitamos. A gente acaba descobrindo que sempre poderia ter vivido mais histórias interessantes e que aquilo que está à frente nos causa um temor por não querer sofrer, mas acabamos sofrendo da mesma forma. O melhor de tudo é se redescobrir e fazer valer cada minuto.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTerruca

    29-10-2012 às 21:52:15

    Absolutamente fantástico , muito obrigado

    ¬ Responder
  • -sukih L.a.-sukih L.a.

    30-10-2012 às 22:32:14

    Oh! Obrigada eu. Não considerei nada de muito grandeoso, só mesmo uma raflexãozinha sobre a vida.

    ¬ Responder
  • -sukih L.a.-sukih L.a.

    31-10-2012 às 20:31:55

    reflexãozinha*

    ¬ Responder

Comentários - O tempo não espera por nós

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios