Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O quotidiano feminino medieval

O quotidiano feminino medieval

Categoria: Outros
Visitas: 4
O quotidiano feminino medieval

Quer fosse nos centros régios ou senhoriais, as mulheres viviam entre si. Passam o tempo em actividades femininas, como fiar, tecer e bordar. Não fazem destas actividades profissões, mas uma maneira de ocupar o tempo. Podiam também ocupar o seu tempo na leitura, a escrever cartas a familiares e amigos, ou em caso de já serem mães, ocupam o seu tempo com as crianças. Até aos dois anos, as crianças tinham amas-de-leite. Só a partir de então passavam aos cuidados totais da mãe. A partir do século XIV a mãe ensinava as crianças as primeira letras, assim coma as primeiras orações. Os rapazes ficavam ao cuidado da mãe até aos 7 anos de idade, porém as raparigas continuavam aos cuidados da mão até casarem e podiam ter perceptoras. Ao estarem com a mãe também aprendiam como gerir uma casa, dar ordens aos criados e tomar conta da contabilidade, os rapazes aos 7 anos iam para a parte do castelo reservado aos homens, onde aprendiam a montar, a manejar armas e a defenderem-se com o escudo. Exercitavam-se através da luta, da corrida e dos jogos de bola. Desde muito cedo preparavam-se para a guerra e para os jogos de cavalaria. Também faziam caça, principalmente de montaria, onde enfrentavam muitos perigos. As mulheres não participavam neste tipo de caça, mas podiam participar na caça de cetraria ou volataria. Caçavam com um certa opulência e bem vestidas. Estes divertimentos eram concluídos com banquetes.

Havia vários tipos de jogos: o xadrez, dados, as cartas e os famosos jogos amorosos. Estes estavam enquadrados numa sociedade que os casamentos eram arranjados em criança. Aos 7 anos confirmavam a vontade de realizar o casamento, e a rapariga com 12 anos e o rapaz com 14 já podiam casar. Exercia-se alguma pressão para aceitarem o casamento. Os filhos segundos excluídos das heranças tinham maior liberdade, como conquistar as donzelas. A ideia do amor cortês por a mulher provocar o cavaleiro, nunca envolvendo nada físico. Em Portugal, por exemplo havia cantigas de amor, amigo e escárnio e mal dizer. Os trovadores eram eles próprios da nobreza, e havia também jograis, que faziam a música, e as soldadeiras que dançavam. Nas cortes também tinha grande sucesso a historiografia: as crónicas e as biografias encomendadas pelos reis ou personagens da nobreza.

Daniela Vicente

Título: O quotidiano feminino medieval

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

612 

Comentários - O quotidiano feminino medieval

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios