Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O que não devemos fazer: Esperar!

O que não devemos fazer: Esperar!

Categoria: Outros
O que não devemos fazer: Esperar!

Esperamos sempre esperar esconder litigiosamente o que nos enfraquece, o que nos pesa ou simplesmente o que não gostaríamos de ver revelado. Se tímidos convém-nos passar despercebidos, esperando que o mundo se alheie á nossa existência, ora, se extrovertidos pesa-nos a monotonia e esperamos ver o mundo olhando os nossos olhos curiosos.

Esperamos que o Amor de agora seja o de amanha e depois e depois… ou não, podemos até esperar um encontro relâmpago, um romance fugaz! O certo a que na nossa vida esperamos e continuamos a esperar, na esperança que o esperado finalmente justifique a espera e passamos assim uma vida, á espera.

Espera-se porque se acha que não é a altura indicada para o que se espera, ficamos esperando porque até se quer o que se sonha ter mas dá trabalho lá chegar, e continuamos, acordando á espera, comendo á espera, bebendo até á espera, e, por fim adormecendo á espera. Enfim uma vida de esperas sem que uma única espera justifique a injuriada espera.

De tanto esperar, esperamos, e sem nos apercebermos na realidade nada fazemos. Depois, ironicamente surgem-nos aquelas perguntas cujas respostas são sempre nada, interrogações acerca do que se quer, se perspectiva ou mesmo do que se faz são sempre as principais candidatas ao nada. Mas miraculosamente o nada dá sempre um bom tema de conversa, seja ao telefone, na cama, no sofá ou mesmo na esplanada de um café. O certo a que quando damos por nós esperamos o nada, servimo-nos dele, confiamos-lhe os nossos desejos, dormimos junto a ele, partilhamos até com o nada a nossa alegria de nada fazer. E quando estamos á espera de algo que lá no fundo sabemos não ser rigorosamente nada eis que nos surge algo que pode ser qualquer coisa.

E o qualquer coisa pode ser o chilrear de uma pássaro a voar dando sinal de vida, o reflexo de uma teia de aranha pendurada em casca de carvalho decomposto, pode ser até o germinar de erva daninha debaixo de camadas de sedimentos.

Esperamos á sombra de pedregulhos petrificados nas encostas dos montões, esperamos nos vales desidratados pelo calor, e no entanto não encontramos qualquer razão para o fazer, fazemo-lo porque o vimos ser feito e pronto. Somos bichos-do-mato, assustadiços, somos tojos que não ousam ser tocados e gestas que não dão flor, somos tanto e tão pouco, somos tanta outra coisa que nem sonhamos poder ser.

Identificamo-nos pela solidão, por aquilo que fazemos, que é nada, somos gente esperando algo que tarda em acontecer, somos o ouro que não reluz, a prata que não oxida, somos o “sal da terra” que perdeu o gosto e o rumo e que se limita a esta espera infernal por algo, que sabemos não ser nada mas que tarda em advir.

Somos os habitantes do Monte de Lá e do Monte de Cá, os peregrinos encalhados durante gerações, os habitantes da terra isolada. Somos a lembrança que ainda resta de um mundo em conformidade com o transcendente, somos o povo reduzido que suportou o tempo, somos o diminuto contacto com a sociedade corrompida, somos a vida que teima em não dissipar.
Somos a casa no fundo da serrania suportada pelas lajes anosas de granito e o isolamento arrabalde, somos nós, os miseráveis e o envolvente...



Joel Lourenço

Título: O que não devemos fazer: Esperar!

Autor: Joel Lourenço (todos os textos)

Visitas: 0

621 

Comentários - O que não devemos fazer: Esperar!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios