Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O (imprescindível) papel da mulher na Igreja Católica

O (imprescindível) papel da mulher na Igreja Católica

Categoria: Outros
Visitas: 77
O (imprescindível) papel da mulher na Igreja Católica

A figura de Jesus apaixona muita gente, entre católicos e não católicos. De facto, a Sua irreverência, criatividade, simplicidade desconcertante, coragem, docilidade e capacidade de desafiar (movido pela justiça e não por rebeldia) o poder instituído suscitam admiração e convidam à reflexão.

A questão do papel da mulher na Igreja pode ser lida à luz da actuação do fundador do Cristianismo: o próprio Cristo. Numa sociedade em que as estruturas patriarcais relegavam a mulher para segundo plano (ou terceiro, ou quarto…), tal-qualmente os marginalizados, Jesus Cristo teve a audácia de Se aproximar delas, de lhes delegar tarefas e de as tratar com igualdade. São Paulo dá-nos a conhecer mulheres concretas e as funções que elas desempenhavam nas comunidades a que pertenciam, havendo marcas dessa presença.

Não obstante, é sabido que à mulher não são permitidos determinados tipos de participação eclesiástica, à semelhança do que acontece noutros âmbitos, desde a política, à cultura e à ciência, tal como sucedia na Idade Média, onde não se previa um lugar para as mulheres na vida pública. Ainda assim, há teólogos que defendem que no Cristianismo a mística das mulheres, o seu encontro com Deus, é substancialmente mais forte do que em qualquer outra religião. Por outro lado, as correntes marianas dentro da Igreja Católica vieram melhorar a condição da mulher, salvando-a, inclusive, de circunstâncias que ditavam aos maridos uma pretensa legitimidade de as considerar como “propriedade” sua.

No século xix ocorreu a explosão das congregações femininas, que mais do que à oração, se dedicavam à prestação de cuidados de saúde, à educação e à caridade. As abadessas dos conventos, sobretudo nos países germânicos, funcionavam como conselheiras dos bispos, exercendo um poder e uma influência não raras vezes bastante superior aos do clero em geral. Houve mulheres, como Brígida da Suécia ou Catarina de Sena, que tiveram a ousadia de interpelar os homens do seu tempo e pôr em causa o rumo que eles levavam e a direcção da própria Igreja, o que para a época era um inqualificável atrevimento.

Actualmente, e dado que as nações passaram a assumir a responsabilidade de apoio à pobreza, a acção das religiosas dirige-se mais para franjas da sociedade e problemáticas emergentes ainda sem resposta civil. É o caso do auxílio às prostitutas oferecido pelas Irmãs Oblatas e da ajuda a mulheres vítimas de tráfico sexual, dispensada pelas Irmãs Adoradoras. Trata-se de um empenho na linha da frente da promoção humana em Portugal, cujo lema poderia ser: «De mulher para mulher.»

Certo é que a Igreja não seria o que é se não se constatasse a presença de inúmeras mulheres em áreas como a maternidade, a assistência e a transmissão da fé. Mas há quem reclame para a mulher mais, que é como quem diz um aproveitamento adequado dos valiosos talentos femininos, reclamando o direito de acesso aos ministérios consagrados, mormente numa altura de crise de vocações. Por enquanto, contudo, mantém-se a exclusividade no que respeita à ordenação sacerdotal de homens, embora as responsabilidades da mulher estejam nitidamente a crescer. Afinal, complexos de inferioridade e superioridade à parte, não existem papéis maiores ou menores no cenário da missão evangelizadora; o que há é protagonismos diferentes com a mesma dignidade.


Maria Bijóias

Título: O (imprescindível) papel da mulher na Igreja Católica

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 77

808 

Imagem por: Dan44

Comentários - O (imprescindível) papel da mulher na Igreja Católica

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: Dan44

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios