Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O conlito israelo- árabe

O conlito israelo- árabe

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
O conlito israelo- árabe

A Palestina era a terra sagrada para os judeus, já desde os tempos bíblicos.
Ao longo da história foi ocupada por diversos povos, tendo sido o berço do Judaísmo e do Cristianismo.

No ano de 70 a.C, os romanos wxpulsaram os hebreus da Palestina, para evitar as suas lutas pela independência, obrigando-os a dispersar-se por toda a bacia do Mediterrâneo.
Este processo ficou conhecido como a diáspora judaica.

Isto significa que durante vinte anos, os judeus habitaram diferentes países, integrando-se nas respetivas culturas, mas mantendo sempre a sus religião.
Mais tarde, a Palestina , que não fazia parte do Império romano do Oriente, foi ocupada pelos árabes.

Esteve sob o domínio do Império Turco Otomano, que se desmembrou ap´´os a I Guerra Mundial.
Seguidamente, passou a ser administrada pela Grã-Bretanha, até que eles começaram a emigrar para a Palestina, onde iniciaram a compra de terras aos palestinianos árabes.

Depois da 2. Guerra Mundia, os judeus foram práticamente exterminados por Hitler e pelos nazis, levando ao aumento da emigração judaica para a Palestina.
Em face disto, a Onu propôs a criação de dois estados, ou seja, um árabe e outro judaico.
Porém, os líderes árabes recusaram, por sentires que essa terra lhes pertencia, considerando-se prejudicados com os territórios que lhes queriam atribuír.

Em maio, de 1974 foi fundado o estado de Israel, com a aprovação da Onu.
No entanto, este novo espaço, começou a ser atacado pelos países árabes vizinhos, a Síria, egito, Arábia Saudita, Iraque, e JOrdânia, tendo aliás saido vitorioso dessa luta.

A partir deste acontecimento, Israel envolveu-se em várias guerras com esses países, tendo como principal aliado e financiador os EUA.
Em 1994, foi criada a Autoridade Nacional Palestina, que é um estado árabe, que governa os territórios da Cisjordânia e Faixa de Gaza.

Este estadocontinua a disputar Jerusalém como o estado de Israel, mantendo-se aceso o conflito israelo-árabe.
Jerusa~´em, é a terra sagrada e local de peregrinação para os judeus, cristãos e muculmanos. Possui 1204 sinagogas, 158 igrejas e 73 mesquitas.

As lutas pela terra sagrada continuam ainda, com muito derramamento de sangue.
Atualmente o Estado de Israel e da Palestina , nomeadamente no ano de 2010, possui cerca de oito milhões de habitantes e a Autoridade da Palestina, perto de quatro milhões de habitantes.


Teresa Maria Batista Gil

Título: O conlito israelo- árabe

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 0

604 

Comentários - O conlito israelo- árabe

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios