Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Meditar com cristais

Meditar com cristais

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
Meditar com cristais

A meditação faz parte do auto-conhecimeno e desenvolvimento pessoal. Hoje em dia as pessoas não têm muito tempo disponível por causa da suas profissões, de modo que meditar uns minutos por dia, pode fazer a diferença.

Os seus benefícios são essencialmente ao nível da saúde, alívio da tensão, desperta a consciência, baixa a tensão arterial, melhora a concentração, intensifica as capacidades curativas e estimula a criatividade.

Com efeito, ela é praticada por muita gente em todo o mundo para tranquilizar a mente e trazer harmonia e paz interior.




Usar cristais para meditar permite atingir níveis espirituais mais elevados. Eles são os veículos para intensificar e induzir o estado meditativo, permitindo atingir um estado de profunda paz. Com eles é possível chegar ao verdadeiro eu, que permite efazer descobertas e encontrar novas soluções para os problemas.

Os cristais mais populares e usados na meditação são os quartzo, especialmente o cristal de rocha, a ametista e o quartzo rosa. No entanto, pode usar-se outros consoante o gosto de cada um.

Para atingir níveis profundos de meditação é necessário encontrar um local tranquilo, usar roupas leves e sentar na posição de lótus. O importante é que a coluna esteja vertical, posição que estabelece uma forte ligação à terra e permite que as energias fluam livremente. Depois é só segurar o cristal nas mãos e concentrar a sua atençao nele. Depois fecha-se os olhos e tenta-se absorver a energia do cristal. Com a inpiração sente-se as energias do cristal a entrar, com a expiração, sente-se a tensão e energias negativas saírem.

Basta uma respiração correcta para o campo energético se expandir e encher de energias do cristal. Também se pode fazer por exemplo uma pergunta ao cristal , sendo a primeira impressão ou pensamento, a sua resposta.

Para sair do estado meditativo, basta abrir os olhos e tomar consciência da terra e do corpo.

As informações que se obtêm, em estado meditativo, são ás vezes orientações e informações importantes.

Deste modo quando a pessoa está mais tensa, preocupada e com problemas deve praticar meditação, a fim de encontrar as soluções mais adequadas. Não é necessário meditar muito tempo, mas apenas alguns minutos por dia.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Meditar com cristais

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 2

671 

Comentários - Meditar com cristais

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios