Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Low-cost, conceito em expansão

Low-cost, conceito em expansão

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 8
Comentários: 2
Low-cost, conceito em expansão

A termo low cost começou efetivamente nas companhias aéreas, mas alargou-se a muitos outros setores.

Na verdade, o low-cost, ou baixo custo, tornou-se uma solução para quem quer pagar menos por um seviço ou produto.

É um termo que deriva do inglês, como baixo custo e começou a ser utilizado quando surgiram as primeiras companhias aéreas que oferecem viagens a baixo preço, embora não oferecam refeições a bordo nem serviço de bagagem.
Hoje em dia, o termo alargou-se a outros setores e é utilizado em diversas áreas de atuação, na hotelaria, seguros, ginásios e pelas telecomunicações, entre outros exemplos.

O modelo económico do low cost, baseia-se no preço competitivo e na eficiência dos serviços para apresentar um produto ou um serviço a um preço mais económico, de acordo com Sérgio Bastos, responsável pelo site low-cost em Portugal.
As empresas low-cost apresentam tarifas mais baixas pelos seus serviços extra dispensáveis e elimina o intermediário, como por exemplo as agências de viagens no caso do turismo.

Ao longo dos anos, as empresas têm vindo a acrescentar benefícios adicionais aos seus produtos e serviços, aumentando o custo associado a estes.
Graças a estes serviços é possível adquirir-se produtos mais baratos, sem serviços adicionais.

Esta foi uma solução que surgiu como resposta ao aumento dos preços, sendo cada vez menos sinónimo de falta de qualidade.
De acordo com alguns estudos e opiniões de mercado, demonstra-se que há cada vez mais produtos e serviços de ótima qualidade e preço, para quem o fenómeno já atinge muitas camadas sociais.

Na realçidade, estes produtos já não se cingem às camadas mais baixas mas também a outras e a sua qualidade nem se distingue dos outros.
A crise financeira que se vive no mundo impulsionou o aparecimento de serviços low-cost, devido á necessidade de adquiri produtos com preços mais ecoómicos, e ainda da necessidade das empresas aumentarem a sua eficiência e competitividade.

Há uma mudança evidente na forma como as empresas passaram a olhar o mercado e mesmo as maiores já sentem a necessidade de adotar os processos das low-cost.
as companhias aéreas são o modelo pioneiro porque comercializam voos pela internet, eliminando serviços e taxando os serviços extra.

Com efeito estas companhias conseguiram criar um nicho de mercado que chega aos 30 ou 40 por cento da totalidade do tráfego aéreo mundial.

No que diz respeito à hotelaria, os hostels permitem apenas o alojamento, sem serviços extra, ás vezes partilhando a casa de banho.

Até nos medicamentos, já se praticam os produtos low-cost, devido aos genéricos não envolverem os custos de produçao das grandes companhias.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Low-cost, conceito em expansão

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 8

609 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    29-08-2014 às 13:56:26

    O conceito, low-cost, possibilitou o acesso fácil para todo e qualquer tipo de pessoa. Permitiu, inclusive, o maior número de pessoas viajarem, o que é de grande valia! Graças a essa nova modalidade de baixo custo, mas com uma boa qualidade é que se pode obter produtos e serviços fáceis e essenciais de sobrevivência!

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    17-09-2012 às 15:48:48

    O termo low-cost ainda é bastante recente. Pelo menos sá agora ele tem sido posto em prática.Cada vez mais podemos encontrar esta expressão nas agências de viagens, restaurantes, agências de férias, eventos e outras.O termo significa uma compra ou serviço, mais barato, em especial em dias específicos.

    ¬ Responder

Comentários - Low-cost, conceito em expansão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios