Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Divorciada de Fresco – E Agora?

Divorciada de Fresco – E Agora?

Categoria: Outros
Visitas: 10
Comentários: 6
Divorciada de Fresco – E Agora?

Um divorcio ou uma separação são sempre processos difíceis de mastigar. Apostam-se as fichas todas num relacionamento e mostramos a nossa mais íntima essência. Damo-nos completamente e depois… bem depois da separação, a vida continua.

As razões para uma separação ou divorcio podem ser múltiplas, tal como as sensações pós-divorcio. Para uns pode ser uma sensação de liberdade, para outros o cair num poço sem fundo. No entanto todos, enquanto divorciados ou separados, carregamos a mesma sensação. Aprender com os erros. Se algo não deu certo é porque houve erros (muito por norma cometidos pelos dois) e esses devem ser aprendidos para não mais serem cometidos.

Ninguém gosta de se separar ou divorciar. Toda esta história tem um cariz muito negativo e ninguém começa e avança com uma relação a pensar nesta fase.

Uma separação é a dois, tal como uma relação, mas desta vez, o caminho é a sós e muitas vezes sem companhia. O que fazer então?

Se se encontra num estado depressivo, triste e tem a sensação de que o tempo parou quando um de vocês saiu de casa, então o que se segue é para si.

Em primeiro lugar, existe um factor que nunca poderá deixar de pensar. Conte só consigo, acima de tudo. Os amigos e familiares apoiam-nos, mas deve ser connosco que devemos contar incondicionalmente. Esta conversa é para perceber que vão existir momentos em que os amigos não vão poder estar consigo, pelo que nunca deve pensar que ficou sem ninguém. Tem-se a si e isso é o que mais conta.

Arranje-se. Vista-se bem, tome banhos longos e ponha creme no corpo. Perfume-se e maquilhar-se. O facto de estar bem vestida é meio caminho andado para se senrir bem, mesmo que não saia de casa.

Recorde-se do que gostava de fazer quando era solteira. Ginásio, passeios, leitura, pintura, cinema? Tudo conta. Com mais tempo livre, opte fazer qualquer coisa que a preencha, a faça ver gente e sair de casa.

Por falar em sair de casa, saia. Contacte amigos que não vê há imenso tempo e saia para um café. Outra ideia é organizar jantares na sua casa e convidar os amigos de sempre. O facto de a sua cara-metade não estar, não vai querer dizer nada se não falar nele.

Não deve nesta altura enamorar-se. Limpe a casa dos sentimentos magoados que tem neste momento e não parta para aventuras.

É hora de seguir sozinha. Não se esqueça que é uma mulher extraordinária, tem um valor fantástico, é linda e tem imenso êxito. Nunca baixe a sua auto-estima. A felicidade também se constrói quando estamos sozinhos.


Carla Horta

Título: Divorciada de Fresco – E Agora?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 10

724 

Imagem por: Cillian Storm

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 6 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    26-07-2014 às 20:58:05

    É difícil, mas não é o fim do mundo! Penso que as pessoas precisam ser maduras o suficiente para levantar a cabeça e fazer a vida prosseguir. Ninguém nasceu com ninguém e tudo se aprende nessa vida.

    ¬ Responder
  • Valéria

    31-12-2012 às 12:28:06

    Acabo de me separar, parece que as portas do inferno se abriram e me consomem, choro o tempo todo e o desanimo esta me consumindo. Preciso me reerguer, mas não enxergo uma solução...

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoViviane

    24-07-2012 às 10:20:12

    Fiz o chamado luto do meu casamento durante um ano. Chorei o que tinha para chorar, fiquei sozinha o tempo que julguei necessário e deixei-me embrulhar espojada no sofá fins-de-semana seguidos. Passado um ano decidi erguer-me. Mudei a cor do cabelo e comprei algumas roupas novas que em nada tinham a haver com aquilo que costumava vestir. Obriguei-me a mudar e a viver. Hoje sou feliz.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoAndré

    24-07-2012 às 10:19:52

    Muito se fala sobre a situação em que as mulheres ficam depois de um divorcio, mas verdade seja dita que para os homens também é complicado. Quando eu e a minha ex-mulher nos separámos, a sensação de uma enorme solidão foi o que ficou. Vi-me na casa enorme sem os meus filhos e sem aquela que afinal tinha sido até à altura a minha companheira de jornada da vida.
    Apesar de saber cozinhar, fazê-lo não fazia sentido e só ansiava pelos dias em que via os meus filhos e os tinha nos fins-de-semana alternados. Passei a fazer corridas e treinos de atletismo. Até foi bom, pois passei a ter uma vida bem mais saudável, mas até ali me sentia sozinho e só conseguia pensar que não queria voltar sozinho para uma casa vazia.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMaria João

    23-07-2012 às 12:25:17

    Passei por um divorcio litigioso quando estes ainda existiam. Ansiei mais que tudo por estar divorciada e que aquele pesadelo finalmente acabasse. No entanto, acho que os tempos que se seguiram foram mais difíceis. Fartei-me de chorar e não queria reagir a esta minha nova vida. Deixei de me arranjar e só queria estar em casa sozinha. Atirei-me ao trabalho com uma força extraordinária e hoje considero que foi a minha salvação. O meu patrão que sempre me apoiou decidiu na altura em que ia abrir um dos escritórios, colocar-me numa posição de chefia. Disse-me na altura que apostaria todas as fichas em mim e que eu não o podia desiludir. Este impulso profissional fez-me mudar o dia-a-dia. Arranjava-me mais e passei a trabalhar mais horas, o que me ocupava o tempo livre e obrigava-me a não pensar no meu divorcio. Foi uma solução que arranjei, mas que de certa forma também me foi oferecida.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDiana

    23-07-2012 às 12:24:59

    Quando me divorciei pensei que a sensação fosse de alívio. Vivi um martírio dos grandes, e ansiei pelo dia em que me visse divorciada. Acontece que no dia em que estava de facto divorciada, a sensação de ter perdido uma grande batalha foi o que se instalou. Apesar de ter sido eu a pedir o divorcio e da decisão ter sido minha desde o inicio, senti que aquele dia era tanto ou mais marcante do que o dia do meu casamento. Cai numa tristeza profunda pois casei por amor e com a certeza de que seria para toda a vida. Não foi e senti que perdera o maior sonho da minha vida.
    Levei algum tempo a reagir e com a ajuda de amigos lá me consegui levantar, mas não foi uma tarefa nada fácil.

    ¬ Responder

Comentários - Divorciada de Fresco – E Agora?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Cillian Storm

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios