Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Como ser madrastas dos dias de hoje

Como ser madrastas dos dias de hoje

Categoria: Outros
Comentários: 8
Como ser madrastas dos dias de hoje

O nome madrasta é algo com uma carga emocional muito grande. A carga é de tal forma, que nas gerações mais antigas, muitas eram as madrastas que queriam ser tratadas por tias, para que o cariz fosse atenuado.

A nossa educação, toda ela tão influenciada nos desenhos animados da Walt Disney, ensinou-nos que as madrastas eram más, traidoras, insuportáveis e até assassinas. Lembremo-nos então. A Cinderela foi feita sopeira e criada pela madrasta, a Branca de Neve foi mandada matar, também pela madrasta e até a Gata Borralheira não escapou. Habituámo-nos a catalogar este “familiar” que em qualquer altura pode fazer parte da nossa vida.

Mas afinal como é ser madrasta nos dias de hoje? Se está prestes a ser uma delas, saiba o que deve fazer para ter uma excelente relação com o seu enteado e principalmente, o que nunca, de forma alguma deve fazer.

Antes de mais deve pensar como uma criança. Imagine-se quando era criança e coloque-se numa situação como a que o filho da sua cara-metade vai estar quando a conhecer. A criança poderá sentir-se confusa e vai com toda a certeza ter os mesmos receios que você terá.

Em segundo lugar, pense no que as crianças têm para oferecer aos adultos. Eles têm muito para nos ensinar, pelo que o primeiro conselho que se pode dar numa destas situações é: Aproveite. As crianças ensinam-nos muito mais do que nós a elas.

Faça perguntas e interesse-se pelo que ele faz. Ele sentirá que você tem interesse e que quer fazer amizade com ele. Como já sabe informações sobre ele, meta conversa. Vai ver que vai acontecer o mesmo com a outra parte.

Vão passear os três e faça-se sempre acompanhar pela sua cara-metade. Será um apoio para os dois e um excelente elo de ligação.

Com o passar do tempo, vai ver que conseguem fazer amizade. Poderão tornar-se numa família saudável e isso é o mais equilibrado.

Nunca em caso algum deverá ser a mãe da criança. Você é a namorada do pai, não é a progenitora. Ninguém diz que uma chamada de atenção não deva ser feita se o seu bom senso assim o achar, mas quem educa são os pais. A sua posição é apoiar os pais.

A figura de madrasta já não é o que era. Com a constituição da segunda família, as crianças vêm-se a braços com muitas coisas que causam uma certa confusão, pelo que enquanto adulto, a sua função é facilitar a harmonia e nunca causar mais confusão.

Duas casas para uma criança pode não significar dois mundos. Deve acima de tudo ser um mundo unido e harmonioso. Adopte uma postura amiga e conquiste o pequeno ser mais importante da sua cara-metade. Afinal, ele é só uma criança.


Carla Horta

Título: Como ser madrastas dos dias de hoje

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

776 

Imagem por: Bashed

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 8 )    recentes

  • SophiaSophia

    26-05-2014 às 05:26:05

    É um grande desafio, mas o amor supera todas as coisas!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDinda

    29-01-2013 às 20:47:56

    como fazer para aceitar tal situação?

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    16-09-2012 às 19:04:55

    Miriam, a ideia de se ser madrasta é essa mesmo. O nome carrega uma carga emocional muito negra, mas a realidade é que nos dias que correm e com crinças que têm mais do que uma família, nada como manter a sensatez e criar um bom ambiente entre todos. O que mais interessa é cada um saber o seu lugar e dar equilíbrio emocional ás crianças.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoclara

    11-09-2012 às 14:16:35

    tenho uma filha de 4 anos e uma enteada de 9 anos, as duas brigam muito por ciumes uma da outra e acaba eu e ele brigando um dando razão a sua cria, é claro

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMiriam

    24-07-2012 às 10:18:16

    Sou madrasta e acho que o nome não me causa qualquer incomodo. A Mariana tem 13 anos e somos muito amigas, por vezes até confidentes. Os pais dela sempre a souberam educar bem e nunca precisei de impor a minha presença nem ela a dela. Sabemos exatamente qual é o lugar de cada uma de nós.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoNeuza

    24-07-2012 às 10:17:58

    Tenho um filho com 8 anos fruto de um casamento que terminou à 5. Durante o tempo em que estive divorciada, o meu ex-marido não ligava nenhuma ao filho. Raramente aparecia e a pensão de alimentos era para esquecer.
    Quando conheci o Rogério, e começamos a sair, aquilo que mais me fascinou foi a forma como trata o meu filho. Ele é um pai de verdade, faltando-lhe somente a parte biológica. Eu não ganhei um companheiro para a vida, eu e o meu filhote, ganhámos um elemento importante e fundamental para o nosso dia-a-dia.
    Apesar de tudo o que eu e o meu filhote passámos, valeu a pena a espera…

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCatarina

    23-07-2012 às 12:23:40

    Com a minha enteada foi muito complicado. Eu até tinha uma boa relação com ela, mas a mãe sempre foi uma pessoa intragável. Cheguei ao ponto de ser insultada pela ex-mulher do meu companheiro por ter dado banho à menina depois da praia. Ela era completamente louca. Cheguei ao ponto de cada vez que era o fim de semana de ele estar com a menina eu puro e simplesmente não aparecia para não causar problemas. A menina é um doce e muitas vezes pergunta por mim, mas eu não quero que ela acabe por sofrer os desaforos da mãe por causa da minha presença.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMargarida

    23-07-2012 às 12:23:20

    Tenho uma filha do primeiro casamento e o meu companheiro tem também uma menina. Têm as 2 a mesma idade o que de certa forma veio atenuar qualquer complicação que pudesse haver. Antes de qualquer coisa coloquei-me no papel de filha e depois no papel de mãe. Como é que eu acharia correto que a nova mulher do meu ex-marido tratasse a minha filha? Foi a forma mais fácil de encontrar um equilíbrio e harmonia em todas as coisas. No final de tudo isto, a família estendeu-se de forma abismal, pois passaram a fazer parte da minha vida o novo casamento do meu ex-marido (e a sua nova família) e a antiga família do meu companheiro (a mãe do meu enteado). Todos nós com crianças de anteriores casamentos e pessoas com sensatez acima de qualquer outro sentimento. Pode parecer confuso, mas se todas as coisas forem tratadas com respeito são as crianças quem ficam a ganhar.

    ¬ Responder

Comentários - Como ser madrastas dos dias de hoje

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Bashed

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios