Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Celebridades mirins

Celebridades mirins

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Celebridades mirins

Sempre que assisto a um programa, série ou novela em que crianças são os protagonistas ou possuem personagens de destaque, me pergunto o quanto essa fama precoce pode ser prejudicial à formação emocional e psíquica desses pequenos atores.

Atualmente está sendo exibida em meu país uma série gravada entre os anos 70 e 80 cujos personagens principais são três crianças, dois garotos e uma garota, além de um adulto. A série que retrata uma família nada convencional, principalmente para a época, tem um lado cômico, mas é completamente comprometida com questões sociais e raciais. Um homem branco e rico que já possui uma filha biológica acaba adotando os dois filhos negros de sua empregada após a morte dela. Apesar de propor discussões sobre assuntos polêmicos, a série tem uma leveza familiar muito agradável e o humor, um tanto ingênuo, é cativante e espirituoso. Afeiçoei-me aos personagens e por conseqüência aos atores e fiquei curiosa sobre o que tinha acontecido a cada um deles.

Busquei informações na internet e fiquei sinceramente chocada e triste com o que havia acontecido com eles após o fim da série. O ator mais novo, que fazia o papel mais engraçado da trama, havia tentado o suicídio mais de uma vez, esmurrado uma fã e, por isso, processado e preso, tinha tido problemas com os pais e empresários e havia os processado por terem roubado seu dinheiro.

A única garota da série, que fazia uma personagem politicamente correta e que lutava pelos direitos femininos, fazia uso de drogas e álcool já durante as gravações da série, foi presa por roubo e falsificação e suicidou em 1999.

O outro menino da série, que fazia um adolescente típico, envolveu-se com drogas e teve problemas com autoridades, mas depois de dez anos no ostracismo conseguiu dar a volta por cima e recomeçar sua carreira como ator, produtor e diretor.

Após o fim da série nenhum desses atores mirins conseguiram papéis importantes ou fazer a carreira decolar, alguns foram passados para trás e outros ficaram estereotipados como os personagens que interpretaram. Trabalharam em alguns filmes de orçamentos baixos ou em profissões comuns, fizeram algumas participações em outras séries, aparições na TV e até trabalhos pornográficos, mas não conseguiram alcançar a mesma fama de quando eram crianças.

Se para um adulto, ser esquecido pela mídia e pelo público, não é fácil, para as crianças isso pode ser muito mais complicado porque seu caráter ainda está em formação. Eu adoro ver crianças estrelando e brilhando nas telinhas, mas é muito importante que elas recebam acompanhamento psicológico e emocional para não serem afetadas negativamente pela fama ou falta dela.


Glaucia Alves

Título: Celebridades mirins

Autor: Glaucia Alves (todos os textos)

Visitas: 0

672 

Imagem por: Christian Haugen

Comentários - Celebridades mirins

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: Christian Haugen

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios