Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Bullying

Bullying

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 3
Bullying

O bullying é um grave problema que existe nas nossas escolas hoje. No entanto, o bullying tem sido sempre um problema ao longo do tempo. As principais diferenças entre o bullying de hoje e o do passado é a natureza do bullying e a violência que ocorre no rescaldo. O Cyberbullying está a tornar-se uma forma popular e mais destrutiva do que o bullying tradicional. Mais crianças hoje estão a trazer armas para a escola para se vingar de outros.

Atualmente, não só se está intimidado sendo uma criança, mas também como um adulto. A resposta para a questão do bullying cabe a todos nós, especialmente as vítimas dele. Eu não estou a sugerir que as vítimas de bullying são responsáveis ​​por bullying. Pelo contrário, o que eu estou a sugerir é que as vítimas de bullying têm o poder em si para pensar, comportar e reagir de maneira a limitar ou eliminar o bullying.

Como uma sociedade, nós gastamos muito da nossa energia a identificar e a punir o agressor e deixamos de dispender tempo suficiente para capacitar as vítimas de bullying.

Deveríamos gastar mais energia nas coisas que podemos controlar, em vez de as coisas que têm pouco ou nenhum controlo. Precisamos ensinar às crianças o poder que eles já possuem.
Normalmente, provocadores e vítimas partilham a mesma característica - a baixa autoestima. Depende apenas de se interiorizar ou exteriorizar os sentimentos, pois é isto que vai determinar quem se vai tornar um tirano ou uma vítima de bullying. Normalmente, as situações e eventos negativos na vida da criança podem desencadear uma baixa autoestima.

O exteriorizar sentimentos pode causar que algumas crianças se tornem valentões e tentem controlar o seu ambiente para compensar a falta de controlo em relação à sua família. Por exemplo, se os pais de uma criança estão a divorciar-se e a criança está muito abalada com o divórcio, ele ou ela pode sentir-se impotente na sua capacidade de manter os seus pais juntos. Como resultado, a criança pode atirar a sua raiva sobre os outros para fins de procura de controlo para compensar a sua falta de controlo sobre o divórcio iminente dos seus pais.

Como seres humanos, o nosso comportamento, pensamentos e sentimentos nunca são ditados ou controlados por terceiros, a menos que permitamos que isso ocorra. Manipular a forma de pensar pode alterar a forma como nos sentimos. Nós todos temos a capacidade de tomar posse e controlo sobre os nossos pensamentos. Nós, entretanto, temos o controlo limitado ou nenhum sobre eventos específicos, situações e sobre o comportamento dos outros. Às vezes tentamos controlar eventos, situações e outros, mas torna-se frustrante quando as tentativas falham.

É importante lembrar que a violência física geralmente ocorre após uma interação verbal negativa. A violência geralmente é provocada e raramente não provocada. Portanto, para evitar a violência, o conflito pode e deve ser neutralizado durante a troca verbal. É por isso que as palavras e a linguagem corporal são tão significativas e prejudiciais para o resultado do bullying.

Os tiroteios mais recentes nas escolas sugerem que os atiradores foram intimidados pelos seus colegas de turma. O bullying posteriormente provocou a violência escolar.

Os pais devem ser cautelosos ao ensinar os seus filhos a ignorar as intimidações. O problema é que ignorar o valentão vai irritá-lo e provocar uma situação ainda mais tensa.

Os pais devem ser cautelosos ao ensinar os seus filhos a denunciar o bullying a um adulto. Os pais devem incentivar os filhos, numa primeira tentativa, a resolver o bullying por conta própria. Se os seus filhos forem mal sucedidos a resolver esses problemas por conta própria, eles devem ser encorajados a denunciar o bullying.

Se os filhos automaticamente denunciarem o bullying sem tentar acalmar a situação por conta própria, eles vão ser perseguidos e rotulados, o que irá encorajar mais o bullying.

É muito fácil sentir pena e simpatia para com as vítimas de bullying. No entanto, seria mais útil para a vítima se formos mais empáticos com as suas necessidades, capacitando-os para difundir o bullying por conta própria.

Como resultado, a sua capacidade de neutralizar o bullying acabaria por elevar o seu nível de auto-estima.


Ruben Duarte

Título: Bullying

Autor: Ruben Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

609 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    18-08-2014 às 04:54:04

    Aprendi que só é bullying quando é algo corriqueiro, que ocorre todo dia, com maior frequência. Tem que saber lidar com isso, e a pessoa que recebe as piadinhas deve tomar providências quanto a isso. Se de menor, comunicar logo a alguma autoridade. Sempre é bom ficar atento com as mudanças no comportamento do filho.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãomaria clara

    22-05-2013 às 07:53:26

    vamos ajudar quen presisa
    eu nao gosto de ver pessoas
    sofrendo bullying

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãomaria clara

    16-05-2013 às 08:19:12

    eu nunca fui vitima do bullying a minha amiga e
    o nome dela e alice ela tem 9 anos e sofre bullying na escola

    ¬ Responder

Comentários - Bullying

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios