Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Antropologia e Touradas

Antropologia e Touradas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 8
Comentários: 3
Antropologia e Touradas

Pode parecer sensível, a um observador incauto ou a um neófito nesta que é, para mim, a mais estimulante das ciências humanas, a relação entre Antropologia e touradas. E isto porque um dos seus alicerces- da Antropologia, bem entendido- é, a par de uma postura culturalista (numa verdadeira demanda contra o universalismo que dita a existência de uma natureza humana e coloca a vantagem no lado da segunda metade do debate nature vs. nurture), o relativismo cultural.

Inútil é dizer que, tal como todas as dicotomias, a que promulga a distinção racionalismo/relativismo, e as posturas individuais ou disciplinares que se situem num ou outro extremo, são reducionistas da real complexidade dos problemas sociais - e é a sua resolução, mais que o aumento do capital teórico das disciplinas, que as ciências humanas devem adotar como alvo. Dito isto, parece-me óbvio que o tão célebre relativismo cultural e o não tão célebre relativismo moral não podem ser invocados indiscriminadamente em auxílio das mais heteróclitas práticas polémicas que os países querem perpetuar. Afinal, se ninguém considera aceitável a pena de morte por apedrejamento em nome do relativismo, porquê conceder tal clemência às touradas?




Mas de onde advém, perguntará o leitor, esta capital importância da antropologia no que à compreensão destas questões culturais e sociais diz respeito? Eu explico, exemplificando. Um amigo, cego para o que é a Antropologia e sem vontade de aprender, diz-me que quando acabar a formação - o Mestrado, o Doutoramento (o que quer que seja que as minhas aptidões, o Passos Coelho e a Senhora Merkel me permitirem alcançar) posso abrir um "consultório".

Ultrapassado o embaraço pela ignorância alheia que é, mais no todo que em parte mea culpa, o absurdo da ideia permite-me deleitar com brincadeiras imaginárias nas quais tanto os políticos que governam o país como os tubarões do capitalismo e seus acólitos vão ao antropólogo antes de tomarem as decisões estúpidas e estupidificantes que são a regra.

E que disparates se evitam! - nesse espaço imaginário em que aqueles que movem o mundo se deixam demover das suas insanidades por aqueles que se caracterizam, acima de tudo, pelo seu lúcido entendimento do mundo em que vivemos, que sabem que as coisas não têm de ser como são e que sabem, sobretudo, que é imperativo re-humanizar o humano e cessar a busca alucinada do lucro. Lucro que é, bem entendido, um dos principais motores que permitem a continuação das touradas, às quais me referia acima.


Sofia Nunes

Título: Antropologia e Touradas

Autor: Sofia Nunes (todos os textos)

Visitas: 8

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    18-08-2014 às 05:43:49

    Bem interessante estudar a antropologia, eu simplesmente adorooo!!!

    ¬ Responder
  • Nuno Nunes

    06-07-2013 às 10:48:19

    Assassinos! Uma coisa é matarem o touro para comer (morte imediata), outra coisa é causarem sofrimento e morte lenta ao touro.

    ¬ Responder
  • Nuno Nunes

    06-07-2013 às 10:46:06

    A tourada é a coisa mais nojenta, repugnante e de nível baixo. Eu pagava para ver o touro no lugar dos forcados ou toureiros e a levarem com paus cravados no pescoço. Mas o nível baixo já vem com grande parte dos seres humanos à nascença. O ser humano tem a mania que é superior aos outros, só porque consegue vencer um touro. Tratem-se mas é, doentes. Vamos esperar até as touradas acabarem, já não falta muito.

    ¬ Responder

Comentários - Antropologia e Touradas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios