Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A sexualidade na adolescência

A sexualidade na adolescência

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 10
Comentários: 4
A sexualidade na adolescência

Muito se tem falado, nos últimos tempos, da Educação Sexual que deve ser ministrada na escola como disciplina obrigatória, e a polémica a este respeito vem atulhando inúmeros noticiários e servido de arma de arremesso político. Porém, parece que ninguém ainda percebeu muito bem do que é que, afinal, se trata ou deve tratar.

De facto, a sexualidade tem de ser entendida como algo que vai imensamente além dos comportamentos sexuais. Se é para explanar os aparelhos reprodutores e os aspetos fisiológicos, não é preciso criar mais uma matéria para estudar: a Biologia já dá resposta a essas questões. Falta, contudo, explorar outras, complementares e, porventura, mais relevantes. Na realidade, ser-se sexuado(a) significa possuir uma integração indissociável de fatores biológicos, psicológicos e culturais. Portanto, sendo a sexualidade multidimensional, a sua abordagem tem, necessariamente, de ser transversal.

Aquilo que presentemente é proposto para ensinar às crianças não apresenta consensualidade entre os pedopsiquiatras e pedagogos. Para além da flexibilidade e das possíveis variações no currículo–base que defendem, tendo em conta a sensibilidade dos pais e o contexto da comunidade em que estão inseridas as famílias, mostram-se ainda a favor de alguma heterogeneidade e, acima de tudo, de um extremo cuidado para não ferir suscetibilidades, como pode acontecer com determinadas imagens nos correntes manuais. Paralelamente, no seio médico há quem advogue a criação de novos guias em que temas como o álcool, as drogas, a violência e a alimentação sejam incluídos.

As relações intrafamiliares, à semelhança das atitudes e comportamentos perante a sexualidade, mudaram bastante nas últimas décadas, e é importante perceber os reflexos dessas mudanças na vida das crianças e adolescentes. Cada vez mais, a educação sexual não se refere, na essência, à transmissão de conhecimentos, mas deve basear-se em atitudes (de preferência, coerentes), industriadas pelos pais e professores e pela escola, em uníssono.

Não vale a pena andar a tentar “passar a batata quente”, alegando que a educação sexual é algo alheio à escola, ou procurar especialistas (que atuariam no sistema educativo, mas de fora). Sendo que as dimensões afetiva e sexual fazem parte da formação integral da pessoa, a Educação Sexual deve ser integrada no currículo, mas de forma prudente e sensata, relacionando o corpo do rapaz e da rapariga com os sentimentos e as emoções, a autoimagem e a imagem do outro, e o sentido de responsabilidade. E, já agora, dando conta de realidades (quiçá com menores probabilidades de reivindicação nas manifestações de estudantes em prol da implementação da tão reclamada matéria), como a mutilação genital feminina, a sexualidade associada à deficiência e o drama dos abusos sexuais.


Maria Bijóias

Título: A sexualidade na adolescência

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 10

810 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    28-07-2014 às 07:03:20

    Seria muito bom se os pais entendessem que a mente de uma adolescente é super vulnerável e que precisa muito de educação sexual. Se isso não vem dos pais, eles acabam aprendendo o que não devem lá fora. Que isso mude!

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    16-09-2012 às 22:48:07

    A sexualidade na adolescência existe e temos de viver com uma emancipação dos nossos jovens. Há que, enquanto pais e educadores, informá-los, pois ainda existem muitos tabus, muitas duvidas e muitos, muitos mitos por tratar. É problemático a falta de informação e pior que tudo, a má informação.

    ¬ Responder
  • mauricio camutalimauricio camutali

    06-04-2011 às 14:08:55

    é bom adaptar-mos mais em leitura educativo muito mais bom para os adolescente... beijosss....

    ¬ Responder
  • António Manuel dos Santos Costa, Lda.daniela ferreira

    27-04-2010 às 15:47:19

    eu axo k as motas sao um espectáculo
    na minha opinião todos deviam ter uma mota mas uma mota dakelas boas até as pessoas mais pobres deviam ter uma

    ¬ Responder

Comentários - A sexualidade na adolescência

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios