Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A Palmada deve fazer parte da Educação?

A Palmada deve fazer parte da Educação?

Categoria: Outros
Comentários: 4
A Palmada deve fazer parte da Educação?

Não existem educações perfeitas, pois não existem crianças iguais. Estas coisas da educação não podem vir todas escritas no mesmo livro, e são precisos milhões de livros para se entender a criança num todo. Alguns comportamentos não têm, puro e simplesmente explicação.

As crianças têm os seus direitos, mas se verificarmos bem também têm alguns deveres, ou pelo menos assim o deve ser. Naturalmente que temos de lhes incutir, enquanto adultos e racionais, deveres que vão de acordo com a idade. Arrumar os brinquedos, lavar as mãos antes das refeições e lavar os dentes depois delas, são alguns deveres que temos de incutir desde tenra idade.

Todas as crianças são um bocadinho manipuladoras. Todas sem excepção. Basta que para se compreender esta frase e afirmação, se pensa na birra que as crianças fazem porque querem determinado objecto ou quando dizem que têm dor de barriga para não ir à escola, quando estão de perfeita saúde. As crianças manipulam e nós muitas vezes caímos na esparrela. É natural, somos todos humanos. Nós e as crianças.

Um dos deveres das crianças e este é obrigatório é o respeito. Respeito pelos coleguinhas de escola, professores, irmãos, tios, avós e principalmente pelos pais. Não podem de forma alguma existir negociações, enganos ou mesmo manipulações quanto a isto. As crianças têm de nos respeitar enquanto pais e ponto assente. Mas não teremos nós, enquanto pais o dever de as respeitar a elas? Ora aqui está a parte em que entra a conversa da palmada na educação.

Já diziam as nossas avós, que uma palmada faz milagres, mas a realidade é que muitas vezes não resulta. Exigir respeito é uma das nossas obrigações, mas dar respeito também é.

Ao dar uma palmada tem de ter em conta alguns aspectos. Você é mais alto, mais forte, tem mais idade, e muito, muito mais força. Acha que um marido bater na mulher é um acto de cobardia? Porque ele é mais forte do que ela? Julgo não ser necessário dizer muito mais sobre o assunto.

Entenda-se que uma palmada pode resolver algumas coisas instantâneas, mas por sistema deixa de dar resultado e instala-se a anarquia. Uma palmada deixa de doer e duas deixam de doer também. É uma questão de tempo. A criança cresce e depois? Já não dá jeito dar uma palmada. Sabe o que fazer a seguir? Pois é…

O castigo faz milagres. Não ver televisão durante um dia, tirar o brinquedo preferido durante algumas horas, não comer sobremesa, podem fazer tantos ou mais milagres do que uma palmada. Se acompanhado por uma conversa calma e firma, o respeito impera. Os direitos são iguais, e acredite, um castigo vai demonstrar tão bem ou melhor do que uma palmada, quem manda lá em casa afinal.


Carla Horta

Título: A Palmada deve fazer parte da Educação?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Imagem por: Pink Sherbet Photography

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCremilde

    24-07-2012 às 10:14:32

    Caro Pedro, não estará aí mesmo o problema. Dá-lhes tudo!!! Não dê. Tudo o que seja material só têm se se comportarem à altura. Só se merecerem. Têm de respeitar para ser respeitados. Eu não defendo a palmada e os castigos comigo sempre resultaram. Cá em casa não há prendas grátis e recebem prendas e prendinhas como recompensa. Isto também é educa-los. A sociedade não lhes vai dar nada de graça, pelo que deve começar em casa esta educação.
    Se faltam à educação, esconda os computadores e os jogos, depois a televisão, acabe com as sobremesas e seja firme sempre. Não se deixe vacilar. Mesmo que o comportamento seja o mais correto na hora seguinte, diga-lhes que o castigo é de 2 horas e que se voltarem a faltar ao respeito e ás regras, estarão até ao dia seguinte sem televisão. Não se deixe manipular.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPedro

    23-07-2012 às 12:19:37

    E se a palmada não resulta? E se os castigos não resultam? E se os ralhetes não resultam? Ás vezes fico desesperado com o mau comportamento dos meus filhos e já nem sei o que fazer. Será que há algum segredo no meio desta educação que é suposta dar? Eu dou-lhes de tudo, nem precisam abrir a boca. Sou bom pai e não mereço esta falta de respeito.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoClara

    23-07-2012 às 12:19:21

    Também me aconteceu uma coisa idêntica à Isabel. A primeira (e única vez) que dei uma palmada á minha filha foi por causa de uma berraria no centro comercial. Já não era a primeira e eu já tinha ameaçado a “tal” palmada. Naquele dia não consegui evitar e dei. Ela ainda chorou mais, mas desta vez sentida. Quanto á birra, passou e recebi um pedido de desculpa que nunca mais vou esquecer. Também tenho a sensação que me doeu mais a mim do que a ela, mas não dei a parte fraca e mantive-me firme. Afinal, sou eu e o pai quem tem de mandar cá em casa.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoIsabel

    23-07-2012 às 12:19:03

    Sempre tive por habito castigar os meus filhos com o apagar da televisão e coisas idênticas. Com os 2 mais velhos resultou, mas com a mais nova a coisa complicou-se. Os castigos foram aplicados mais do que uma vez e chegou a uma altura em que ela me enfrentava em qualquer altura e em qualquer lugar. Nunca tinha dado uma palmada a um filho, até porque nunca tinha tido necessidade disso, mas houve um dia em que acabou por acontecer. Quando ela se espojava no chão da sala, aos gritos e completamente descontrolada, deixe-lhe um valente açoite no rabo. O silencio impôs-se pois acho que ela nunca imaginou que eu o fizesse. Serviu de emenda e nunca mais recorri à palmada. Confesso que naquele dia, falei com ela mais tarde e pedi-lhe que nunca mais se comporta-se de forma a eu ter que lhe dar mais algumas palmada. No fundo, eu estava mais destroçada do que ela.

    ¬ Responder

Comentários - A Palmada deve fazer parte da Educação?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios