Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A História Da Escrita

A História Da Escrita

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 10

O papiro, da família das ciperáceas, cresce no Nilo. Do talo do papiro se obtém a carta, que foi a matéria escriptória mais difundida durante a Antiguidade e os primeiros tempos medievais. É o primeiro suporte de vida de longa duração. Como o mundo industrial precisava do papiro tinha de haver uma grande produção. Contudo, no século XI deixa de ser usado, sendo substituído pelo pergaminho. Para fazer o papiro cortavam o caule da planta em tiras, dispondo-as lado a lado e em camadas cruzadas. Estas tiras vegetais eram colocadas umas às outras com uma água barreta e depois sujeitas à prensagem entre duas pedras. Por fim a folha do papiro era seca ao ar livre e amaciada com uma pedra de ágata.

O pergaminho é uma matéria escriptória feita com peles de animais (cabra, cordeiro e vitela). Plínio situa o aparecimento do pergaminho no século II a.C. devido à diminuição do papiro. A designação com que ficou conhecido o pergaminho deriva de Pérgamo, uma cidade na Ásia Menor, onde o rei Êumenes II teve de encontrar o material de escrita alternativa ao papiro em falta. Após a morte do animal a pele arrancada era lavada, depois lavada em cola durante vários dias, e por fim era raspada até eliminar pelos e gordura. Os séculos XII, XIII e XIV foram a sua época áurea.

O papel foi inventado na China em 105 d.C. Era feito através de desperdícios têxteis e mais tarde através da celulose e das árvores. Escrevia-se no papel com a pena de ave. Os mais antigos documentos remontam ao século XII.

As tabuinhas enceradas eram pequenas placas de madeira ou de marfim, que tinham uma forma retangular. Geralmente, tinha dois furos na frente que unia por cordas ou correias a margem esquerda do livro fechado. Era usado para várias coisas: anotações de contabilidade, apontamentos privados, algumas eram usadas em dípticos consulares, escolares primárias durante a época romana e como instrumentos públicos notariais. As tabuinhas eram reutilizáveis e tinham uma utilização de longa duração. Só estavam acabadas quando se partiam.

Os instrumentos para escrever eram o cinzel e o buril para a escrita de ponta seca, o cálamo e a pena para a escrita de tinta e o pincel para certas cores. Havia ainda o carvão e o giz para a escrita desenhada.


Daniela Vicente

Título: A História Da Escrita

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 10

677 

Comentários - A História Da Escrita

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Manutenção Automovel

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Automóveis
Manutenção Automovel\"Rua
Faça você mesmo a revisão do seu automóvel e poupe dinheiro em oficinas. Primeiro verifique com a ajuda de outra pessoa a iluminação exterior. Uma pessoa fica no interior do carro e liga as luzes, verifique á frente os mínimos, os médios, os máximos e os piscas. Depois atrás verifique os mínimos os stop a marcha atrás e o farol de nevoeiro.

A seguir verifique a iluminação do interior do veículo e do painel de instrumentos e a afinação do travão de mão.

Agora está na hora de verificar os filtros de ar, gasóleo e habitáculo. Dependendo da utilização eles podem fazer em média 40.00km, se estiverem sujos substitua-os por novos.

A seguir vem a mudança do óleo este em geral pode-se retirar pelo bujão de vazamento do cárter, convém substituir a anilha e o filtro de óleo. O óleo novo deve respeitar as especificações do fabricante, verificar no livro de manual de utilizador do veículo os litros de óleo do motor. Meter o óleo novo pelo bucal superior do motor com a ajuda de um funil, o nível do óleo não pode ultrapassar o máximo. Se não sabe a quantidade de óleo deite 4 litros e depois verifique o nível pela vareta de verificação de nível e vá deitando até chegar ao nível certo.

Agora é preciso verificar as pastilhas de travões, hoje em dia como quase todos os veículos têm jantes especiais consegue verificar sem desmontar as rodas. Substituir se necessário as pastilhas, ao desmontar repare como desmonta para depois voltar a montar tudo de novo. Por fim verifique a pressão dos pneus com um manómetro, a pressão indicada varia de carro pra carro se não sabe a pressão indicada ponha 2.2bar que é em média a pressão que todos utilizam.

Convém dizer que qualquer material que precise basta procurar numa loja de peças auto próxima de si ou então encomendar via net pois existem vários sites especializados em peças e materiais de manutenção auto. Vai ver que não custa nada se eu aprendi você também pode aprender e além disso fica a conhecer melhor o seu carro.

Com isto tudo pode poupar em média 200€ por cada revisão.
Obrigado e até a próxima.

Outros textos do autor:
Manutenção Automovel

Pesquisar mais textos:

Vendas Online

Título:Manutenção Automovel

Autor:Vendas Online(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 04:55:10

    Há inúmeros benefícios para fazer a manutenção do automóvel, pois isso garante melhor preservação do veículo e se prolonga o uso por muitos e muitos anos.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios