Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A História Da Escrita

A História Da Escrita

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 10

O papiro, da família das ciperáceas, cresce no Nilo. Do talo do papiro se obtém a carta, que foi a matéria escriptória mais difundida durante a Antiguidade e os primeiros tempos medievais. É o primeiro suporte de vida de longa duração. Como o mundo industrial precisava do papiro tinha de haver uma grande produção. Contudo, no século XI deixa de ser usado, sendo substituído pelo pergaminho. Para fazer o papiro cortavam o caule da planta em tiras, dispondo-as lado a lado e em camadas cruzadas. Estas tiras vegetais eram colocadas umas às outras com uma água barreta e depois sujeitas à prensagem entre duas pedras. Por fim a folha do papiro era seca ao ar livre e amaciada com uma pedra de ágata.

O pergaminho é uma matéria escriptória feita com peles de animais (cabra, cordeiro e vitela). Plínio situa o aparecimento do pergaminho no século II a.C. devido à diminuição do papiro. A designação com que ficou conhecido o pergaminho deriva de Pérgamo, uma cidade na Ásia Menor, onde o rei Êumenes II teve de encontrar o material de escrita alternativa ao papiro em falta. Após a morte do animal a pele arrancada era lavada, depois lavada em cola durante vários dias, e por fim era raspada até eliminar pelos e gordura. Os séculos XII, XIII e XIV foram a sua época áurea.

O papel foi inventado na China em 105 d.C. Era feito através de desperdícios têxteis e mais tarde através da celulose e das árvores. Escrevia-se no papel com a pena de ave. Os mais antigos documentos remontam ao século XII.

As tabuinhas enceradas eram pequenas placas de madeira ou de marfim, que tinham uma forma retangular. Geralmente, tinha dois furos na frente que unia por cordas ou correias a margem esquerda do livro fechado. Era usado para várias coisas: anotações de contabilidade, apontamentos privados, algumas eram usadas em dípticos consulares, escolares primárias durante a época romana e como instrumentos públicos notariais. As tabuinhas eram reutilizáveis e tinham uma utilização de longa duração. Só estavam acabadas quando se partiam.

Os instrumentos para escrever eram o cinzel e o buril para a escrita de ponta seca, o cálamo e a pena para a escrita de tinta e o pincel para certas cores. Havia ainda o carvão e o giz para a escrita desenhada.


Daniela Vicente

Título: A História Da Escrita

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 10

677 

Comentários - A História Da Escrita

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios