Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Mitos Urbanos e Boatos – Um livro a não perder

Mitos Urbanos e Boatos – Um livro a não perder

Categoria: Literatura
Mitos Urbanos e Boatos – Um livro a não perder

Todos nós conhecemos mitos e boatos. Quem não gosta de uma boa conversa entre amigos sobre fantásticos mitos em que acreditamos e juramos a pés juntos ter visto, ouvido ou acreditar piamente em que os contou. Faz parte da nossa essência gostar de um bom boato, então se for de um actor, cantor ou apresentador conhecido, a nossa satisfação fica completa.

Para nos contar mais sobre isto, Susana André, jornalista da SIC, decidiu escrever sobre histórias e mentiras em que teimamos acreditar. Através do seu livro “Mitos Urbanos e Boatos” ficamos a conhecer muitas histórias, a forma como cresceram e a maneira como muitas vezes não morrem, porque puro e simplesmente nós, povo Português, adora um bom boato.

Mesmo para quem não é apreciador, nada como um livro que desmente as mentirinhas que tantos anos levamos a acreditar e a crer que fossem verdades juradas.

Neste livro fantástico encontramos mitos como o da lata de refrigerante e a urina de rato. Dizia-se no fim do milénio passado (meados de 1998), que uma mulher tinha falecido após ingerir o sumo do refrigerante directamente da lata. A sua morte devia-se ao facto da lata ter estado em contacto directo com urina de rato, e que esta era letal ao Ser humano. Ora desmistifica a autora do livro toda esta história. O livro explica-nos a bactéria da urina do rato morre após contacto com o suco gástrico.

Outro mito e este muito mais bem elaborado tem a haver com o tráfico de órgãos. Dizia-se há uns tempos, que uns quantos homens tinham sido seduzidos por uma bombástica loira uma bem conhecida discoteca Lisboeta. Após um convite para uma bebida na casa dela, o conquistado ingeria uma substancia psicotrópica e que quando acordava encontrava-se numa banheira cheia de gelo. Ao seu lado estava um bilhete com um telefone que dizia “ligue para o 112, pois acabámos de lhe tirar um rim”. A história era de tal forma credível que havia quem jurasse que tal tivesse acontecido a um amigo e que ele ostentava uma cicatriz na zona dos rins. Porém, nenhuma queixa foi até hoje apresentada em qualquer polícia Portuguesa com tais contornos.

Mitos e boatos vão sempre existir e cá estaremos nós para os alimentar. No entanto já nenhum de nós tem desculpa para acreditar neles, com o excelente trabalho executado e publicado neste livro. “Mitos Urbanos e Boatos” de Susana André. A não perder.


Carla Horta

Título: Mitos Urbanos e Boatos – Um livro a não perder

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

747 

Imagem por: delphaber

Comentários - Mitos Urbanos e Boatos – Um livro a não perder

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: delphaber

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios