Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Crítica à coleção “Uma Aventura”.

Crítica à coleção “Uma Aventura”.

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 6
Comentários: 2
Crítica à coleção “Uma Aventura”.

Quando li pela primeira vez o livro “ Uma Aventura na Falésia” tinha apenas 7 anos. Vinha embrulhado com papel pardo e um laço cor-de-rosa. Abri-o com mil cuidados e Deliciei-me com o título. Logo abri, começei a ler e só terminei quando a minha mãe me chamou para jantar. Ao longo do dia a minha atenção esteve voltada para aquele livro de capa em tons de verde e com imagens que eu nunca tinha visto. Foi o primeiro livro que recebi e por isso uma relíquia que quero conservar.

A coleção Uma Aventura acompanhou-me desde a minha infância, passou pela minha adolescência e ainda me acompanha na minha fase adúlta quando às vezes sinto necessidade de me abstrair e divertir-me com a leitura. Estes livros giríssimos de capas coloridas e personagens formidáveis captam a atenção do leitor de uma tal maneira que o mesmo esqueçe onde está embrenhando-se pelos caminhos do livro. Nem de propósito, por falar em caminhos, a editora responsavel é a Editora Caminho. As autoras Ana Maria Magalhães e Isabel alçada são duas senhoras cheias de imaginação e espírito de Aventura. Em cada livro deixam um traço comum e um fundo de verdade que é delicioso. São livros de fácil leitura e compreensão com um pouco de história. Quando comecei a colecionar esta coleção não tinha acesso à internet e mesmo assim adquiri cultura geral por causa dos livros.




Mais tarde foi criada uma série juvenil na televisão que retratava esta mesma coleção. Com os personagens de Sempre, presentes nas aventuras mas agora em carne e osso. São eles: o Pedro, o chico, o João e as gémeas Teresa e Luísa, e não me posso esquecer de referir os dois elementos caninos: Faial e Caracol. Mas para dizer a verdade não gostei assim tanto da série. Acho que perfiro os livros, pois são mais interessantes e têm tantos pormenores que fico a imaginar os lugares e o ambiente. Enquanto que na série não consigo fazer nada disso porque as imagens estão lá e eu, que já conheço a história, só me apetece criticar os atores e dizer-lhes que no livro não era assim e que se enganaram no papel.

Hoje em dia posso dizer que tenho uma coleção com Quarenta e sete livros. E penso em adquirir o que me falta, pois esta coleção foi uma tutora para a minha educação. Assim aconselho vivamente todos os que têm filhos a iniciar esta coleção com eles e garanto que não se arrependem.

Jovita Capitão

Título: Crítica à coleção “Uma Aventura”.

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 6

698 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    11-09-2012 às 12:21:44

    Em criança, li alguns livros da colecção "Uma Aventura", ainda que essa fosse uma fase em que preferia, infelizmente, o fascínio da televisão ao dos livros, acompanhando assim as aventuras dos cinco amigos através da série televisionada. Considero que sejam bons livros infantis, que devem no entanto ser substituídos a partir dos 13/14 anos por obras como versões facilitadas da Odisseia.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    10-09-2012 às 13:03:31

    Como já disse em outros textos, eu comecei a ler tardiamente, por volta dos meus 15 anos, logo os livros infanto-juvenis passaram-me ao lado. Comecei a ler desde logo livros mais filosóficos de Richard Bach, Fernão Capelo Gaivota. Todavia, eu vi a série Uma Aventura e adorei. Também eu deliciei-me a ver esta serie, com aventuras tão ricas. De facto, quem estruturou estas histórias tem uma grande imaginação. Parabéns pelo seu texto tão nostálgico.

    ¬ Responder

Comentários - Crítica à coleção “Uma Aventura”.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cães e Humanos: Amizade por interesses

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Animais Estimação
Cães e Humanos: Amizade por interesses\"Rua
Não é de hoje que os cães são considerados nossos melhores amigos, porém como toda amizade ela não é totalmente incondicional e livre de interesses, pense bem, você pode discordar a princípio, mas analise a fundo e verá que tenho razão.

Cães convivem conosco a mais de 10mil anos, foi lá atrás na pré história que essa amizade começou, uma das mais duradouras da história. Teorias dizem que essa conexão iniciou pois ambas as espécies precisavam de algo que não possuíam e juntos se completaram.

Em plena era do gelo onde a sobrevivência estava sendo testada a todo vapor, aquele lobo considerado mais corajoso se encontrou com um homem também corajoso e resolveram unir forças, talvez não conscientemente, mas deu certo para ambos, e ali iniciava uma amizade que duraria por milênios.

Nesse estágio da nossa história, corríamos perigo de sobrevivência; faltava comida, segurança e energia ! ... E então percebemos que esses lobos simpáticos poderiam nos dar uma vantagem na corrida contra a morte, afinal eles caçavam muito bem , coisa que tínhamos dificuldade em fazer pela falta de energia naquele momento; então pensamos, eles nos ajudam a caçar, nós dividimos o alimento e em troca eles ganham segurança e afeto, e foi assim que essa amizade nos ajudou a enfrentar todos os percalços do caminho, e hoje evoluímos tanto que não precisamos mais de seus serviços e ainda sim continuam sendo nossos melhores amigos, posso dizer então que realmente é uma amizade verdadeira, que surgiu da dificuldade e interesses mas que não se deixou abalar por nada.

Então, agora quando virmos alguém maltratar esses animais, desdenhar deles dizendo que "não prestam pra nada", "não fazem nada de útil", como a galinha que põe ovos, ou a vaca que dá leite, lembremo-nos o quão útil eles foram na nossa caminhada, não só no quesito físico mas também no emocional, numa época em que as aparências não importavam e nem o QI para se fazer um amigo, bastava ser corajoso o bastante pra ultrapassar barreiras e conhecer mais o outro, do jeito que ele viesse, garanto que vantagens incríveis nascerão dessa amizade, e não pense em vantagens como algo ruim, quando digo penso em a vantagem da gente se sentir o humano mais importante do mundo quando esses seres peludos nos olham nos olhos sem pedir mais nada em troca, damos e recebemos carinho como nunca, uma retribuição silenciosa a quem sempre esteve do nosso lado, no pior e melhor momento.

O maior interesse em uma amizade é que ela dure para sempre, e acho que com os Cães conseguimos isso.

Pesquisar mais textos:

Lara Lavic

Título:Cães e Humanos: Amizade por interesses

Autor:Lara Lavic(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios